Tanzânia liberta representantes do Comitê de Proteção aos Jornalistas

Redação Portal IMPRENSA | 08/11/2018 13:41

O Comitê de Proteção aos Jornalistas (CPJ) confirmou nesta quinta-feira, 8, a libertação de duas representantes da entidade que estavam presas na Tanzânia. Angela Quintal e Muthoki Mumo haviam sido detidas um dia antes por autoridades do país. A dupla deixa o país hoje. 

Crédito: CPJ
Muthoki (à esq.) e Angela

De acordo com a CPJ, as duas foram retiradas do hotel em que estavam hospedadas, em Dar es Salaam, por oficiais da imigração e da segurança e levadas para um local desconhecido. Angela e Muthoki foram interrogadas durante horas e tiveram seus passaportes tomados. Seus pertences pessoais, incluindo celulares e computadores, também foram retirados pelas autoridades locais. 


Somente ao meio-dia desta quinta-feira, depois de a notícia da prisão ter sido divulgada pelo Comitê, que também fez um apelo por sua libertação, as duas mulheres foram liberadas. A CPJ informa que no período de detenção, uma mensagem falsa dizendo que elas haviam sido libertadas foi postada na conta de Angela no Twitter. Também foram detectadas diversas tentativas de acessar seu e-mail. 


O diretor-executivo da CPJ, Joel Simon, agradeceu os jornalistas, governantes e entidades que falaram sobre a prisão. Os governos da África do Sul e do Quênia prestaram assistência para resolver o caso. 


"Angela Quintal e Muthoki Mumo viajaram à Tanzânia para entender os desafios enfrentados pela imprensa tanzaniana. É realmente irônico que através dessa detenção abusiva e injustificada de nossas colegas, as autoridades da Tanzânia tenha tornado esse trabalho muito mais fácil. Está abundantemente claro para qualquer um que acompanhou os últimos eventos que os jornalistas tanzanianos trabalham em um ambiente de medo e intimidação. Conclamamos o governo da Tanzânia a permitir que os jornalistas trabalhem livremente e permitir àqueles que defendem seus direitos acessar o país sem interferência", disse Simon.


Leia também:

Mecanismo de busca exclui páginas proibidas pelo governo russo após pressão
Médicos Sem Fronteiras promove seminário para jornalistas sobre cobertura de conflitos