Mecanismo de busca exclui páginas proibidas pelo governo russo após pressão

Redação Portal IMPRENSA | 01/11/2018 11:28

O site grani.ru denunciou que a ferramenta de busca Yandex retirou dos resultados de pesquisas na Rússia todas as referências a páginas proibidas pelas autoridades do país. A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) manifestou sua preocupação com a medida. 

Crédito:Reprodução

Crítico do governo russo, o site grani.ru entrou na lista de veículos de imprensa proibidos em 2014. De acordo com a publicação, desde 27 de outubro seus conteúdos não são mais exibidos nas consultas feitas pelo sistema de buscas. 


A RSF informou que a Yandex não apresentou nenhuma explicação até o momento. A mudança, porém, acontece depois que um pacote de leis aprovado no ano passado colocou pressão sobre os sistemas de busca para retirarem de seus resultados conteúdos bloqueados pelo governo. 


"A censura na Rússia tornou-se mais orweliana (referência ao escritor George Orwell, autor dos livros 1984 e Revolução dos Bichos). Retirar conteúdos das buscas amplia o impacto da censura arbitrária de cada vez mais espaços na internet. As autoridades russas devem deixar de impedir o direito do público à informação, que é assegurado na Constituição russa e na Convenção Europeia de Direitos Humanos", afirmou o chefe do escritório do Leste Europeu e da Ásia da RSF, Johann Bihr. 


A Yandex é uma empresa registrada nos Países Baixos, mas suas ações sofreram queda de preço e há rumores de que será comprada por um banco estatal russo. O Google também tem sido alvo de pressões no país. Em outubro, a Roskomnadzor, agência russa de telecomunicações, ameaçou multar a empresa americana se ela não retirasse de seus resultados referências a páginas proibidas pelo governo local. 


Atualmente, a Rússia ocupa a 148ª posição no Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa


Leia também:

Brasil é 10º no ranking de países com mais impunidade de crimes contra jornalistas

Declarações de Bolsonaro contra imprensa preocupam entidades