Príncipe saudita diz que morte de jornalista foi hedionda e promete fazer justiça

| 25/10/2018 10:02
Em sua primeira manifestação pública desde a confirmação do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, clássificou o crime como um "incidente hediondo" e afirmou que os responsáveis serão levados à Justiça. A declaração foi feita durante sua participação em um fórum internacional de investimentos que está sendo realizado em Riad, capital do país. 

"O incidente é muito doloroso para todos os sauditas. É um incidente hediondo e totalmente injustificável", declarou. "Provaremos ao mundo que os dois governos (saudita e turco) estão cooperando para punir qualquer criminoso, qualquer culpado e no final a justiça prevalecerá", completou. O crime aconteceu no dia 2 deste mês dentro do consulado saudita, em Istambul, na Turquia. 
Crédito:Reprodução
As investigações foram feitas com a participação de agentes turcos. Apesar de o governo saudita afirmar que o assassinato aconteceu durante uma discussão entre o jornalista e membros da equipe de segurança, a justificativa não conseguiu convencer fora do país. 

Diversos países europeus já se manifestaram cobrando uma investigação profunda do caso. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, qualificou o caso como "assassinato político". 

Khashoggi era opositor público da monarquia saudita. Desde 2017, ele morava nos Estados Unidos onde trabalhava como articulista para o jornal The Washington Post.