México chega a nove jornalistas assassinados em 2018. Ainda há 21 desaparecidos

Redação Portal IMPRENSA | 24/09/2018 14:11

A violência contra jornalistas no México não para. No último fim de semana, o país chegou ao nono profissional assassinado neste ano e mantém a terrível média de uma morte por mês em 2018. A vítima da vez foi Mario Gómez, do jornal El Heraldo de Chiapas.

Crédito:Reprodução Facebook
Mario levou quatro tiros logo depois de sair de casa

O jornalista foi morto com quatro tiros na cidade de Yajalón, no estado de Chiapas, quando saia de casa. Mario já estava sendo ameaçado e chegou a pedir proteção às autoridades. Não adiantou. A polícia local prendeu um suspeito de ter participado do assassinato, segundo o site do El Heraldo de Chiapas, mas as investigações continuam.


Mario Gomez engrossa a lista da violência mexicana contra jornalistas, especialmente de narcotraficantes. Além dos nove mortos em 2018, segundo o Comitê para Proteção a Jornalistas (CPJ), ainda há 21 profissionais desaparecidos.


“Uma carruagem move seu corpo, mas só isso, porque Mario ainda está vivo, vivo nas notas, nos relatórios e nas crônicas que dizem a verdade. Isso foi o que não entenderam. Não se mata a verdade matando o mensageiro, porque isso era Mario, um emissário que, apesar do medo, sempre se esforçou para retratar a realidade”, diz um trecho da crônica publicada no site em que o repórter trabalhava.


Leia Mais

Organização lança projeto 'Sou um jornalista, não criminoso' contra ações judiciais

Governo corta verbas e programa de proteção a jornalistas no México está ameaçado