Guerra às notícias falsas: Unesco lança manual jornalístico contra desinformação

Redação Portal IMPRENSA | 19/09/2018 10:54

Já se tornou uma espécie de guerra mundial. O combate às notícias falsas, famosas no termo inglês ‘fake news’, está avançando em todos os cantos do planeta. E, para contribuir nesta luta, a Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) lançou recentemente o livro ‘Journalism, Fake News & Desinformation’.

Crédito:Reprodução Unesco
Livro visa auxiliar a imprensa, entre outras coisas, a não cair em ciladas de fontes contaminadas

Trata-se de um manual voltado para a imprensa enfrentar os desafios diários deste mal que tenta dominar as mídias digitais nos últimos anos.


"Os cidadãos lutam para discernir o que é verdadeiro e o que é falso. Um regime de cinismo e desconfiança. Visões extremas, teorias da conspiração e o populismo florescem e as verdades e instituições, outrora aceitas, são questionadas. Neste mundo, as redações lutam para reivindicar e desempenhar seu papel histórico como guardiões, cujo produto pode ajudar a estabelecer a verdade", diz parte da sinopse do módulo 1, no site da Unesco.


A obra reúne alguns dos principais pesquisadores e profissionais de jornalismo em todo o mundo. São profissionais que trabalham para combater a crise de desinformação e para orientar jornalistas sobre as práticas de investigação de alta qualidade.


A intenção é que o livro seja usado como uma espécie de treinamento pela imprensa do mundo todo. “Os jornalistas arriscam-se a ser manipulados por pessoas que tentam enganar ou corromper profissionais de imprensa para espalhar a desinformação. O novo manual da UNESCO reforça a luta contra as fake news", disse Guy Berger, diretor de liberdade de expressão e desenvolvimento da mídia da Unesco, em seu Twitter.


O PDF do livro já está disponível para download.


Leia Mais

O compromisso da imprensa e a responsabilidade de cada brasileiro nas eleições de 2018

Manual de cobertura do terrorismo visa evitar falhas e proteger jornalista, diz Unesco