Instituto da Venezuela registra sete violações da liberdade de expressão em uma semana

Redação Portal IMPRENSA | 12/09/2018 12:10

Setembro começou um pouco mais complicado que o normal para os jornalistas venezuelanos. Somente na primeira semana (entre os dias 1º e 8) foram registrados sete casos claros ou suspeitos de violação da liberdade de expressão no país.


Crédito:Reprodução Twitter El Nacional
Jornalistas do El Nacional foram presos enquanto registravam inundação provocada por rio


A informação foi relevada pelo Instituto de Imprensa e Sociedade da Venezuela (IPYS). Os incidentes ocorreram em cinco regiões diferentes - Caracas, Lara, Monagas, Amazonas e Zulia – e envolveram desde veto à saída do país até agressões e prisões de jornalistas.


Logo no primeiro dia do mês, a sede da Rádio Fé e Alegria, em Paraguaipoa, no estado de Zulia, foi incendiada. A informação oficial é de que o fogo começou devido a uma sobrecarga elétrica. No entanto, o caso é suspeito e foi contabilizado como ataque à liberdade de expressão.


Dois dias depois, o canal regional Monagas Visión, teve de interromper a transmissão de seu noticiário porque não consegue bancá-lo devido as novas taxas impostas pelo governo.


Na mesma semana, um repórter e um fotógrafo do jornal El Informador foram agredidos durante a cobertura de um evento comercial, no estado de Lara. Em


Monagas, profissionais do jornal El Periódico foram presos durante uma apuração jornalística em um mercado municipal. A mesma situação se repetiu com outros repórteres independentes em Caracas, também no exercício da função.


No dia 6, o jornalista e diretor do portal de notícias Rurunes denunciou em sua conta no Twitter que o Serviço Administrativo de Identificação, Imigração e Estrangeiros cancelou seu passaporte arbitrariamente, mesmo com validade até 2020. Ele foi impedido de viajar. Outros três jornalistas também passaram pela mesma situação nos últimos meses.


No último sábado, a Guarda Nacional Bolivariana deteve uma equipe do canal El Nacional Web por mais de quatro horas, enquanto ela fazia uma matéria sobre inundação de um rio.


Leia Mais

Mais da metade dos jornalistas da Venezuela já foi vítima de agressão ou ameaça

Novas leis do Nepal proíbem fotografar, ouvir conversas e até trocar informações sem consentimento