Governo corta verbas e programa de proteção a jornalistas no México está ameaçado

Redação Portal IMPRENSA | 06/09/2018 10:48

Não é novidade para ninguém que o México é um dos países mais perigosos do mundo para a atividade jornalística.  Somente neste ano, oito profissionais foram assassinados. Por este motivo, causa apreensão na imprensa mundial a decisão do governo de encerrar o financiamento do Mecanismo de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos e Jornalistas.


Crédito:EneasMx / Creative Commons
Manifestantes pedem justiça após mais um assassinato de jornalista no México


O programa usa os recursos econômicos exclusivamente para a implementação e operação de medidas preventivas e urgentes para proteger pessoas que estejam ameaçadas por trabalhar e denunciar a violação dos Direitos Humanos, sejam elas ativistas ou jornalistas.


Conforme informa o portal Knight Center, a ideia do governo é interromper a injeção de dinheiro no final deste mês. O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos está apelando para o poder público rever a decisão.


O Mecanismo de Proteção vem sofrendo cortes ao longo dos últimos anos, mas são mais de 700 vidas que dependem dele e ficariam completamente desprotegidas a partir de outubro.


Em relatório publicado este ano, Relatores Especiais para o Direito à Liberdade de Opinião e Expressão da ONU e da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) já pediam ao governo mais recursos. Com a interrupção do financiamento, a situação ficará caótica para quem era protegido pelo programa.


O presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos do México, Luís Raúl González Perez, cobrou o governo e aguarda uma resposta. Segundo ele, a falta de recursos não apenas coloca em risco a vida de pessoas, como também contraria o compromisso assumido pelos governantes.


Leia Mais

México chega ao oitavo caso de jornalista assassinado em 2018. Em todo o ano passado, foram 11

Jornalista mexicano é assassinado a tiros no litoral caribenho