Odinei Ribeiro, o 'narrador de emoções', ganha documentário sobre sua carreira

Luciano Ribeiro | 04/09/2018 08:24


“Júnior avança pelo meio e rola a bola para Zico. O Galinho domina, espera a movimentação de alguém e dá um passe magistral para o lateral, no meio de toda a defesa adversária. Júnior recebe na frente do goleiro vai marcar, vai marcar... Goooooooool, do Brasil”.

Em Barcelona (ESP), era o terceiro gol da seleção brasileira contra a Argentina, na vitória por 3 a 1, na Copa do Mundo de 1982. Em Itanhaém, cidade do litoral sul paulista, era o início do sonho de um garoto metido a narrador ajoelhado em frente a um campo de futebol de botão.

O menino cresceu, enfrentou dificuldades, mas conseguiu narrar futebol de verdade. E, nesta terça-feira, a partir das 21h30, no Cine Roxy, mostrará no Santos Film Fest 2018 – Festival Internacional de Filmes de Santos – toda sua trajetória no documentário Odinei Ribeiro: o narrador de emoções.

Crédito:Divulgação
Documentário será lançado nesta terça à noite, em Santos



O experiente locutor do Sportv, de 49 anos, é tema do filme produzido pelo crítico de cinema Rubens Ewald Filho e dirigido pelos cineastas Renata Giovannetti e Germano Pereira. O longa é uma realização da GPS Entertainment, produtora de Rubens e Germano.


A empresa planejava apresentar algo no Festival Internacional e viu em Odinei um personagem muito interessante. Afinal, ele saiu de uma cidade pequena, passou por todas as rádios de Santos em uma época que este veículo era muito forte na cidade e chegou ao Sportv para narrar todas as modalidades esportivas, inclusive com uma Olimpíada (2012) e duas Copas do Mundo (2014 e 2018) na bagagem.


“Eu sempre narrei futebol de botão. Meu pai ouvia rádio, então eu era apaixonado pelos locutores esportivos. Eu adorava Fiori Giglioti, Osmar Santos, José Silvério, José Carlos Guedes, Nilson César, Oscar Ulisses, Dirceu Maravilha, Cledi Oliveira, Luiz Roberto. A minha audição era mais ligada às rádios de São Paulo”, lembra Odinei.

Crédito:Facebook
Odinei ao lado de Fiori Gicliotti, na Rádio Record, e entrevistando Pelé, pela Rádio Atlântica de Santos


Sua primeira narração de um jogo de futebol de verdade aconteceu em 1990. Ele participava de um campeonato amador em Itanhaém, mas não pôde jogar a final porque estava com suspeita de hepatite. “Mesmo assim, fui a campo, levei meu gravador e narrei o jogo. No final do jogo, o repórter da Rádio Anchieta de Itanhaém estava lá. E ele me pediu a fita. Ai, a levou para o Edson Sobral, que era o responsável pela rádio, ele gostou e me chamou para trabalhar”, conta.


A partir daí, Odinei iniciou a escalada. Passou por todas as emissoras de Santos: Atlântica, Guarujá, Rádio Clube, Tribuna/CBN, Cacique/Jovem Pan, Cultura e Santa Cecília FM. Em 1999, foi trabalhar com Fiori Giglioti na Record e ainda fazia a TV Santa Cecília. Em 2004, quando foi contratado pela TV Tribuna, afiliada da Globo na Baixada Santista e Vale do Ribeira, começou a se destacar mais e foi chamado para o time de narradores do Sportv em 2008.


“Eu sofri muito, ralei muito. Mas eu nunca desisti. Não se pode desistir dos sonhos. Há muita dificuldade, muitos concorrentes, mas tem que acreditar que é possível”, aconselha o narrador.


Crédito:Facebook
Odinei, entre os comentaristas Ricardinho e Luiz Ademar, está há 10 anos no Sportv


Entre as dificuldades enfrentadas, claro, está a baixa remuneração do rádio. Odinei lembra como era sua situação quando deixou sua cidade e foi morar em Santos. “Eu ganhava só R$ 70,00. Como alguém pode se manter com R$ 70,00? Então, eu fazia faxina no apartamento de uns amigos para poder colocar meu colchão no chão e ter um lugar para dormir. Claro, eles não me cobravam isso, mas eu me sentia na obrigação de ajudar de alguma forma. Eu era uma espécie de secretário, ia ao mercado para eles, deixava tudo limpinho”, recorda.


Filho de uma vendedora de cosméticos e um pintor, já falecido, o “narrador de emoções” agora se sente realizado por toda sua trajetória. Mas ainda narra com a mesma energia de quando estava ajoelhado diante do chamado “estrelão”, o campo de futebol de botão que ganhou de seu pai.


Além da apresentação do documentário no Santos Fest Film, a produtora pretende exibi-lo em outras plataformas, segundo Odinei. E, aí sim, ele poderá soltar seu tradicional bordão após cada gol: “Por todos os ângulos para você curtiiiiiiiir”.

Por enquanto, veja o trailer do documentário Odinei Ribeiro: o narrador de emoções.



Leia Mais

Canais da Fox no Brasil devem encerrar atividades em até sete anos

Cleber Machado renova com a Rede Globo até 2022