Juiz mantém prisão de jornalista nos EUA e pode mandá-lo de volta a Cuba, onde corre risco de morte

Redação Portal IMPRENSA | 30/08/2018 10:16
Serafín Morán Santiago, jornalista cubano que fugiu de seu país e está preso há quatro meses nos Estados Unidos, teve sua solicitação de liberdade sob fiança negada pelo juizado de imigração do Texas. Ele segue detido e ainda pode ser deportado para seu país, onde diz correr risco de vida.

Crédito:Facebook
Serafín atua em defesa dos Direitos Humanos desde quando tinha 15 anos

A informação foi divulgada pela Fundamedios USA, organização de proteção à liberdade de imprensa de profissionais das Américas nos EUA. Serafín chegou ao país em abril, pela fronteira do México, entregou seus documentos às autoridades e pediu asilo. Foi preso imediatamente porque estava de forma ilegal no país, mas aguarda um desfecho positivo para seu caso.

O juizado de imigração do Texas marcou para o dia 11 de outubro uma nova e definitiva audiência para avaliar o pedido de asilo. Serafín está com medo de voltar para casa porque já recebeu ameaças de morte. Por este motivo, fugiu do país.

“Minha união com essas questões dos Direitos Humanos foi tão profunda que, para mim, era melhor ser detido do que parar de relatar o que estava acontecendo sobre esse assunto”, disse ao Fundamedios USA, ressaltando que é ativista desde antes de se tornar jornalista porque o governo vendeu a casa de sua mãe para um oficial. O cubano tinha apenas 15 anos na época.

Em seguida, ele se envolveu com outros movimentos de Direitos Humanos e se formou jornalista independente em 2015. Agora, Serafín aguarda sua liberdade para trabalhar dos Estados Unidos por causa. “Eu quero sair daqui e continuar trabalhando como jornalista”, afirmou.

Leia Mais
Jornalista é perseguido em Cuba, foge para os EUA e é preso
Novas leis do Nepal proíbem fotografar, ouvir conversas e até trocar informações sem consentimento