Veredicto de processo contra jornalistas da Reuters em Mianmar é adiado

Redação Portal IMPRENSA | 27/08/2018 16:30

O veredicto sobre o processo dos dois jornalistas birmaneses da Reuters que são acusados de “violação de segredo de Estado", em Mianmar, estava marcado para esta segunda-feira. No entanto, a Justiça local adiou o pronunciamento para o dia 3 de setembro, alegando problemas de saúde do juiz que cuida do caso.


Crédito:AFP / Ye Aung Thu
Wa Lone conversa com os colegas jornalistas logo após ser informado sobre o adiamento do veredicto


Segundo informou a Agência France-Presse (AFP), o magistrado Khin Maung Maung confirmou o adiamento. “O juiz Ye Lwin está doente e hospitalizado desde 24 de agosto. Por isso, o veredicto será anunciado em 3 de setembro", afirmou Maung em audiência.


Os dois jornalistas, Wa Lone, 32 anos, e Kyaw Soe, 28, estão presos desde dezembro de 2017 e podem ser condenados a 14 anos de detenção. Os dois investigavam o massacre de 10 homens e meninos do grupo étnico Rohingyas, na aldeia Inn Dinn, quando foram detidos e acusados pelas autoridades locais de posse de documentos confidenciais sobre operações das forças de segurança no estado de Rakhine.


Ambos negam as acusações e se dizem vítimas de uma armação da polícia, que teria enviado os documentos para eles como forma de criar um pretexto para prendê-los. Um policial confirmou a tese dos repórteres e o processo teve diversos apelos da comunidade internacional pela libertação dos dois birmaneses, mas de nada adiantou até o momento.


"Pouco importa o que decidam a nosso respeito. Não temos medo. A verdade está ao nosso lado e nós não fizemos nada de errado", disse Wa Lone após o anúncio do adiamento.


Apesar de ser comandado por um governo civil, Mianmar segue sob muita influência dos militares. O curioso é que no topo do comando do país está Aung San Suu Kyi, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz. Ela a Conselheira de Estado, cargo que foi criado especialmente para ela ocupar. Está acima, inclusive, do presidente Win Myint, seu aliado histórico.


Leia Mais

Jornalistas presos em Mianmar foram encapuzados, impedidos de dormir e ficaram incomunicáveis
ONU pede liberação imediata de jornalistas da Reuters presos em Mianmar