Sede de portal de notícias de SC é alvejada com 20 tiros

Redação Portal IMPRENSA | 18/07/2018 09:42

A sede do site de notícias Vip Social foi alvejada com cerca de 20 tiros na quinta-feira (12), por volta das 22h. Segundo o major Éder Jaciel de Souza Oliveira, comandante da Polícia Militar de Tijcas (SC), o crime foi uma represália à divulgação de uma operação militar, que resultou na morte de uma pessoa. Ninguém ficou ferido. As informações são do próprio portal, Notícias do Dia, Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). 

Crédito:VipSocial
Fachada da sede do VipSocial logo após o atentado do dia 12 de julho


O VipSocial publicou reportagem no mesmo dia, no período da manhã, sobre uma operação policial que matou um suposto membro de uma gangue regional de tráfico de drogas, o Primeiro Grupo Catarinense (PGC). O portal também fez um perfil dele falando sobre suas ligações com o crime organizado.


Além dos tiros, os autores ainda deixaram um bilhete com letras garrafais com ameaça colado no vidro. "Si fica apoiando o errado vão sofre as conseguencia."


O jornalista Antônio Paulino Júnior, que trabalha no VipSocial, disse ao CPJ que nem o VipSocial nem nenhum de seus repórteres recebeu ameaças ou foi atacado antes deste incidente. “Acreditamos que eles esperaram que saíssemos e fizeram isso para não ferir gravemente ninguém”, disse ao CPJ. Segundo reportagem do VipSocial, os disparos foram realizados 10 minutos após quatro funcionários deixarem o local.

Crédito:VipSocial
Bilhete deixado para os jornalistas pelos autores do crime









"As autoridades brasileiras devem agir imediatamente para levar à justiça os responsáveis pelo ataque ao edifício da sede do VipSocial", disse em Nova York a coordenadora do programa das Américas Central e Sul do CPJ, Natalie Southwick. 


A polícia local, que está averiguando o caso, disse ao CPJ que não pode comentar a investigação.


Segundo o CPJ, em março, um agressor atirou nos escritórios do semanário independente Jornal dos Bairros, no sul do estado do Paraná, que faz fronteira com Santa Catarina.


Em seu site, a ANJ “instou as autoridades brasileiras a investigar imediatamente o atentado”. “A ANJ espera rápida apuração desse atentado. A própria polícia indica que foi intimidação ao trabalho jornalístico. A melhor resposta ao crime é a identificação dos seus autores e a punição, nos termos da lei”, disse o diretor executivo da entidade, Ricardo Pedreira.


Leia mais

MPF pede investigação sobre ameaças virtuais e reais ao jornalista Leonardo Sakamoto

Jornalistas da Reuters detidos há 7 meses, em Mianmar, vão a julgamento

Casa de jornalista italiano é alvejada com cinco tiros durante a madrugada