Vida do fotojornalista de guerra Chris Hondros é tema de novo documentário do Netflix

Redação Portal IMPRENSA | 11/07/2018 08:40

O trabalho do fotojornalista de guerra Chris Hondros, morto aos 41 anos, enquanto cobria a guerra civil na Líbia, em 2011, será retratado no documentário “Hondros”, da Netflix.


Conhecido e respeitado internacionalmente, Hondros ganhou dois prêmios Pulitzer com suas impactantes fotografias dos conflitos de Kosovo, Libéria, Iraque, Afeganistão e Líbia.

Crédito:Getty Images


Hondros foi morto em Misurata onde também morreu Tim Hetherington (fotógrafo e documentarista). 

A dupla trabalhou junta acompanhando rebeldes que lutavam contra o exército do ditador Muammar Gaddafi. 


O documentário é dirigido por Greg Campbell, jornalista e amigo de infância de Hondros. Para retratar a sua trajetória, Campbell viajou para os locais onde Hondros trabalhou para conseguir relatos que mostram todo o seu legado.


Nascido em Fayetteville (Carolina do Norte) , Hondros era formado em literatura inglesa. Depois de alguma experiência com jornalismo, acabou se mudando para atuar profissionalmente em Nova York em 1998. Lá ele cobriu os atentados de 11 de setembro, em 2001, depois partiu para a cobertura de conflitos na Europa, Oriente Médio e África.


Leia mais

Exposição Foto Retrospectiva 2017 está aberta no Conjunto Nacional, em São Paulo

Jornalista Luís Carrijo lança livro sobre japonês da PF e promete revelações inéditas sobre o personagem e presos da Lava Jato
Jornalistas lançam livro de reportagens investigativas sobre onda de violência no Rio de Janeiro
PVC lança o livro "Escola Brasileira de Futebol" em SP