Entidades criticam detenção de jornalista da Sputnik Letônia

Redação Portal IMPRENSA | 06/07/2018 10:41

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) se uniu às Federações  Internacional dos Jornalistas (IFJ) e Russa para protestar contra a detenção do editor executivo da Sputnik Letônia, Valentins Rozhentsovs. O jornalista foi preso por 12 horas ao chegar de Moscou às 22h40 da quarta-feira (4) do horário local (16h40, horário de Brasília). A polícia realizou uma conversa com o detido sobre sua atividade profissional sem, no entanto, registrá-la. As informações são da Sputnik.

Crédito:Reprodução Sputnik


Para as entidades, a ação foi considerada um atendado contra a liberdade de imprensa. 


De acordo com Maria José Braga, presidente da Fenaj, “ao deter um profissional sem apresentar nenhuma justificativa e sem nem mesmo formalizar essa detenção, a polícia de segurança letã cometeu um atendado à liberdade de imprensa. Mostrou que a detenção foi apenas para intimidar o jornalista e consequentemente intimidar a agência Sputnik na Letônia”.


Maria José também afirmou que não só o Governo Russo, mas também as entidades internacionais que defendem os jornalistas e a liberdade de imprensa devem tratar a intimidação sofrida pelo editor-executivo da Sputink.


Segundo a assessoria de imprensa da Sputnik, situações como esta se tornaram rotineiras nos Estados Bálticos, perturbados pela crescente popularidade da agência.


Em comunicado, a Sputnik destacou que “os Estados democráticos europeus estão preocupados com a popularidade crescente da Sputnik na Letônia, Lituânia e Estônia, pois a agência apresenta uma visão diferente da única considerada certa [nestes países]".


Leia mais

Entidades representativas repudiam agressões a jornalistas na cobertura da greve dos caminhoneiros

Jornalista brasileiro é atacado por políticos bolivianos por livro sobre Hugo Chávez

Jornalista registra BO contra vereador de Várzea Grande (MT) por assédio moral