Comitê quer garantir liberdade de imprensa durante a campanha eleitoral do Paquistão

Redação Portal IMPRENSA | 03/07/2018 16:30

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas, grupo de advogados sediado nos Estados Unidos, pediu ao primeiro ministro interino do Paquistão, Nasir-ul-Mulk, medidas para garantir a liberdade de imprensa durante a campanha eleitoral até o pleito, que será realizado no dia 25 de julho. As informações são da Al Jazeera.

Crédito:BK Bangash/AP
Paquistão elegerá novo governo no dia 25 de julho

"Estamos preocupados que os recentes acontecimentos no Paquistão sinalizem que a mídia não está livre para denunciar e pedimos que seu governo tome as medidas necessárias para garantir a capacidade dos jornalistas de trabalhar sem medo de intimidação ou represália", disse Joel Simon, diretor executivo do CPJ,  em uma carta endereçaada a Mulk na segunda-feira (2).

O CPJ informou que documentou uma série de "ocorrências preocupantes" nos últimos meses, algumas das quais "impediram a distribuição gratuita de notícias ou que parecem ter o objetivo de intimidar os jornalistas ao silêncio".

Uma carta conjunta dirigida ao primeiro-ministro interino disse: "Com ameaças, sequestros, espancamentos, suspensões ilegais e distribuição interrompida, mídia e jornalistas estão sendo assediados pelos serviços militares e de inteligência, bem como por atores políticos, em uma tentativa de intimidá-los e impedir a divulgação independente antes das eleições. "

Leia mais

Entidades repudiam e cobram investigação urgente das autoridades sobre ameaças contra jornalistas da revista época

Jornalista registra BO contra vereador de Várzea Grande (MT) por assédio moral

Jornalista brasileiro é atacado por políticos bolivianos por livro sobre Hugo Chávez