Atirador invade redação de jornal nos EUA e mata cinco

Redação Portal IMPRENSA | 29/06/2018 10:44

Cinco pessoas morreram em ataque de um atirador à redação do jornal “Capital Gazette”, em Annapolis, capital do estado de Maryland, nos Estados Unidos. A cidade fica a cerca de 50 quilômetros de Washington. As informações são da CNN, The Guardian, CBN, Valor Econômico, UOL, Folha de S. Paulo, Veja e O Globo.

Crédito:Reprodução Globonews


Os primeiros tiros foram contra a porta de vidro que dá acesso à redação. A polícia chegou um minuto depois do ataque e conseguiu prender o atirador, que estava sem documentos, mas já foi identificado. Jarrod Ramos tem 38 anos e move uma ação de difamação contra o jornal.


A polícia também identificou as cinco vítimas fatais, todos funcionários do jornal: Gerald Fischman, Rob Hiaasen, John McNamara, Rebecca Smith e Wendi Winters.


Depois do episódio, a polícia chegou a reforçar a segurança em frente às redações de veículos de comunicação em Nova York. Numa rede social, o presidente Donald Trump expressou condolências às famílias das vítimas.


Enquanto os tiros estavam sendo disparados, o repórter Phil Davis tuitou direto da redação. Segundo ele, o criminoso atirou contra a porta de vidro da sede do jornal, entrando no local, e passou a disparar contra os funcionários. “Não posso dizer muito mais e não quero declarar que alguém está morto, mas a situação é ruim”, afirmou Davis, segundo texto reproduzido pela Folha de S.Paulo. 


O Capital Gazette pertence ao The Baltimore Sun. Existe desde 1884 e é publicado diariamente em Anápolis, com cobertura local sobre os eventos da cidade e do estado. Ainda não se sabe quem era o atirador e por que ele atacou a redação. As últimas informações são de que o atirador ainda estava dentro do prédio.


De acordo com matéria do Valor Econômico, em 2012, Jarrod Ramos, que é morador de Maryland, iniciou uma disputa judicial com o "The Capital Gazette" sobre uma reportagem de 2011 a respeito da confissão de Ramos de assédio criminal, conforme registros do tribunal local. Neles também é possível ver que Ramos recebeu uma sentença de prisão, que foi suspensa, e em seguida a liberdade condicional. 


O artigo, intitulado "Jarrod quer ser seu amigo", foi publicado cinco dias após a declaração de culpa do acusado e detalhou o que o jornal disse >bullets< ser a campanha de assédio de Ramos contra uma colega do colegial com quem ele se conectou por meio do Facebook.


Ramos, então, processou o jornal, os repórteres e um colunista que havia escrito o artigo, alegando que o artigo prejudicou sua reputação e o expôs ao "desprezo público, ódio e ridicularização". 


Um juiz rejeitou a ação por difamação alegando não ter encontrado base para as acusações. Ele apelou e, em 2015, o Tribunal de Apelações Especiais de Maryland confirmou a decisão de primeira instância, dizendo que Ramos "não chegou perto de alegar um caso de difamação".


Leia mais

Entidades representativas repudiam agressões a jornalistas na cobertura da greve dos caminhoneiros

Jornalista brasileiro é atacado por políticos bolivianos por livro sobre Hugo Chávez

Jornalista mexicano é encontrado morto em Tamaulipa