Jornalista russo crítico de Putin teve morte forjada

Redação Portal IMPRENSA | 30/05/2018 14:03

Arkady Babchenko não está morto. O jornalista russo, que havia sido declarado morto na Ucrânia, na última terça-feira, deu entrevista coletiva nesta quarta-feira (30) em Kiev, capital da Ucrânia, ao lado de autoridades para falar sobre o caso. As informações são do UOL.

Crédito:Valentyn Ogirenko/Reuters


De acordo com o chefe do serviço de segurança ucraniano, Vasily Gritsak, a agência fingiu a sua morte como uma estratégia da investigação para evitar o assassinato de Babchenko. 


Antes de o jornalista aparecer, Gritsak disse que os investigadores haviam identificado um cidadão ucraniano que teria recebido US$ 40 mil (cerca de R$ 150 mil) do serviço secreto russo para organizar a execução de Babchenko. O homem não identificado, por sua vez, teria contratado um conhecido que lutou na guerra separatista ucraniana para realizar o crime.


Segundo o jornal britânico The Guardian, a polícia disse ter prendido uma pessoa em decorrência da operação, mas sua identidade ainda não foi divulgada. 


Na coletiva, Babchenko agradeceu a todos que estavam tristes com sua "morte" e se desculpou com amigos e parentes. Aparentemente ele não havia informado nem mesmo aos familiares mais próximos sobre o plano.


 "Ainda sigo vivo", disse o jornalista, que admitiu que cooperou nos últimos dois meses com o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU, por sua sigla em ucraniano), em uma operação para evitar um atentado dos serviços secretos russos contra sua vida.


Leia mais:

Organizações criam iniciativas para defender jornalistas da Colômbia e do México durante as eleições

Por causa de ataques na internet, Abraji emite nota em defesa de jornalistas de Aos Fatos e Lupa