Jornalista brasileiro é atacado por políticos bolivianos por livro sobre Hugo Chávez

Redação Portal IMPRENSA | 29/05/2018 10:19

O jornalista Leonardo Coutinho vem sendo alvo de ataques por parte de políticos bolivianos, desde o dia 8 de maio, em reação a um trecho do seu livro “Hugo Chávez, o espectro”. As informações são da Abraji. 

Crédito:hoybolivia.com


No trecho que motivou os ataques, Coutinho,  que também é repórter da Veja,  cita acusações feitas por Marco Antonio Rocha, ex-major da Força Aérea Boliviana e sócio da companhia área LaMia, contra Evo Morales. O presidente foi associado pelo ex-major à "Rota de Alba", pela qual drogas seriam transportadas de forma sistemática do país andino para Venezuela e Cuba. 


No livro, o jornalista descreve que Rocha afirmou ao DEA, órgão de combate às drogas dos EUA, que mais de 500 quilos de drogas teriam sido enviados em malotes diplomáticos, em cada um dos voos militares, partindo de La Paz e chegando a Caracas e Havana.


Um senador boliviano fez um pronunciamento, no dia 7, solicitando que o governo instaurasse investigação dos fatos mencionados. No dia seguinte, o vice-presidente Álvaro Garcia reagiu às declarações atacando Coutinho. Em declaração publicada no Cambio, periódico do governo da Bolívia, ele afirmou que o jornalista consumia “algum tipo de droga” e era “louco”. Disse também que o governo já estava ciente da “orientação e do financiamento político” e Coutinho. 


Algumas horas depois, o vice-ministro de Regime Interior e Polícia falou com imprensa boliviana e desqualificou o jornalista. Ele afirmou que Coutinho trabalha a mando de um ex-ministro boliviano que está no exílio.


“Para ‘provar’, usa a foto de uma palestra gratuita que fiz na Universidade de Miami, na qual há um banner da ONG de que o ex-ministro é membro. Depois pinça na internet uma entrevista que concedi no mesmo dia para sustentar a tese de minha vinculação política”, relata Coutinho, que continua: "Ao longo da minha carreira, passei por vários ataques pessoais promovidos por políticos - que diante de reportagens sobre os seus malfeitos - optam por atacar o jornalista ao invés de esclarecer os fatos. Mas, desta vez, o governo da Bolívia usa o aparato estatal para desqualificar um jornalista e criminalizar a profissão”, aponta o jornalista.


No dia 15 de maio, o presidente do Senado, José Alberto Gonzales ironizou a seriedade do jornalista brasileiro e questionou a sua credibilidade afirmando que o livro é “ficção científica”.

A Associação Nacional de Imprensa (ANP, na sigla em espanhol) da Bolívia rechaçou as declarações dos políticos que “põem em xeque o trabalho jornalístico de investigação”. 


Segundo a associação, sua unidade de monitoramento de violações contra jornalistas no país registra “contínuos ataques de governantes a comunicadores, muitas vezes questionando a qualidade profissional dos profissionais e a independência dos meios de comunicação”. A ANP afirma que o próprio presidente Evo Morales, o vice-presidente Álvaro e Garcia e outros militantes do partido governista já emitiram opiniões questionando jornalistas “com a intenção de estigmatizá-los por seu ponto de vista crítico.


Em nota, a Abraji expressou solidariedade a Leonardo Coutinho e repudiou os ataques dos agentes públicos bolivianos ao jornalista. “ Reagir a reportagens com ataques pessoais a um profissional da imprensa é atentar contra a liberdade de expressão e comprometer o direito à informação.”


Leia mais

Carlos Cereto responde ameaças sofridas no Twitter: "Serão repassadas para as autoridades"

Opinião: “Novos Ambientes”, por Heródoto Barbeiro

Morremos todos um pouco