Associações lançam Manual de Comunicação LGBTI+ para auxiliar comunicadores

Redação Portal IMPRENSA | 17/05/2018 11:12

A Aliança Nacional LGBTI+ e a Rede GayLatino lançaram neste mês de maio o Manual de Comunicação LGBTI+, para auxiliar comunicadores a aplicar conceitos e usar termos corretos, quando forem escrever sobre pessoas representadas por esses grupos.

Crédito:Reprodução

Em entrevista ao site da revista Fórum, o membro da Aliança Nacional LGBTI+ e coordenador do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), Julian Rodrigues, explicou as premissas presentes no manual, cujo lema é “Substitua preconceito por informação correta”


“Estamos em um momento de muito acirramento do ódio e ataque aos movimentos sociais, às mulheres, aos negros, população LGBTI+, etc. Então, a comunicação, as linguagens, o jornalismo, são sempre campos de disputa. O manual pretende espalhar as informações sobre que é o movimento LGBTI+, quais são as principais demandas. Tem uma função informativa, até para ter como aliados os comunicadores e jornalistas. Muitas vezes a chamada mídia tradicional usa termos pejorativos, equivocados e sem respeitar a identidade de gênero ou orientação sexual. Do ponto de vista objetivo, queremos esclarecer esses profissionais e fazer com que essa comunicação não seja uma comunicação discriminatória”, comentou.


As associações estão organizando lançamentos nacionais, o primeiro deles foi nesta quarta-feira em Brasília. Acesse aqui o manual e confira abaixo a programação:


PR, Curitiba: 21 de maio de 2018, às 18h30. Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná, Rua José Loureiro, 211, Centro


SP, São Paulo: 22 de maio de 2018, das 18h30 às 21h. Novotel São Paulo Jaraguá, Rua Martins Fontes, 71, Centro


AL, Maceió: 25 de maio de 2018, às 9h. Assembleia Legislativa de Alagoas, Praça Dom Pedro II, s/no, Centro


Leia mais:

Folha de S.Paulo lançará novo manual de redação durante encontro de jornalismo

Website jornalístico foi pensado para o empoderamento das mulheres

Em festa anual, Casa Branca não convida repórteres LGBT, negros e críticos