Fundação Getulio Vargas lança plataforma de liberdade de informação

Redação Portal IMPRENSA | 13/03/2018 09:25
Crédito:Divulgação
A Fundação Getulio Vargas lançou ontem, dia 12, em São Paulo a Plataforma Liberdade de Expressão e Democracia (PLED). O projeto é um laboratório que se dedicará à pesquisa, formação e produção de conteúdo em liberdade de expressão. 

O foco será uma agenda atual que debaterá o fenômeno das fake news, o discurso de ódio e demais questões de costumes envolvendo diversidade cultural, racial e religiosa. 

De acordo com a instituição, o objetivo é sofisticar o debate brasileiro sobre liberdade de expressão, seja ele acadêmico, judicial ou político. Nossas discussões ainda são muito primitivas e pontuais. “Mas ao menos agora estamos ampliando o leque para temas além da censura. Nos Estados Unidos, por exemplo, há toda uma doutrina relacionada à primeira emenda da constituição americana (que impede, por exemplo, qualquer restrição à liberdade de imprensa, de expressão ou religião). Aqui precisamos avançar”, diz o professor Ronaldo Porto Macedo Júnior.

O diagnóstico da FGV Direito SP é que a jurisprudência brasileira relacionada à liberdade de expressão é errática, onde muitas vezes se utiliza de uma mesma retórica para chegar a resultados contraditórios.

Macedo Júnior ressalta que há atualmente 12 projetos de lei a serem apreciados no Congresso Nacional acerca do tema. "A PLED quer participar desse processo. Nossa contribuição se dará em várias frentes", afirma. Há a expectativa de se criar um canal no YouTube para divulgar entrevistas e debates sobre o assunto.

Leia também: