Ler, ver e beber: Filme sobre experimento em Stanford é a dica da RP Amanda Takassiki

Redação Portal IMPRENSA | 15/06/2016 14:30


Dica da quarta: "O Experimento de Aprisionamento de Stanford"


"Se você dá às pessoas poder sem supervisão, é uma receita para o abuso."
(Philip Zimbardo)

"Quem me conhece sabe que sou viciada em filmes e séries, particularmente quando são baseados em fatos reais. Em uma indicação de minha irmã, acabei descobrindo o filme O experimento de aprisionamento de Stanford. Nunca tinha ouvido falar do experimento real ou do filme, mas me animei pelas críticas que li na internet, e, claro, por ter acontecido de verdade. Se você quer um filme que mexa com seus sentidos, com a sua cabeça e com a sua concepção do comportamento humano, tá aí uma ótima dica.

O filme conta a história do experimento, que ocorreu em 1971, de Philip Zimbardo, professor e psicólogo, e sua equipe com o objetivo de estudar o comportamento humano e analisar a influência que o poder e uma instituição podem ter nas atitudes de uma pessoa. O experimento consistia em assistir jovens universitários voluntários que foram divididos em dois grupos, os prisioneiros e os guardas. 24 jovens, saudáveis física e psicologicamente, foram escolhidos e passariam somente 2 semanas em uma prisão improvisada nas salas da própria Universidade de Stanford. Os voluntários receberiam 15 dólares por dia.

Ao time dos guardas foi fornecido uniforme, óculos escuros e um cassetete. A orientação principal era manter ordem na prisão, mas não poderiam utilizar de violência física. O segundo time, dos prisioneiros, deveria se despir e utilizar uma túnica branca, um capuz e um número de identificação. Eles não eram chamados pelo nome, e sim pelo número. Os prisioneiros não receberam nenhuma recomendação de comportamento.

No primeiro dia de experimento não aconteceu nada, o que deixou Zimbardo um tanto quanto desapontado. Para isso, entrou no papel de supervisor da prisão e orientava as equipes de guardas a serem cruéis com os prisioneiros, torturando-os psicologicamente, já que eram proibidos de praticarem qualquer agressão física. O 'supervisor' instruía os guardas a criarem o sentimento de medo nos prisioneiros. Assim começamos a perceber a mudança de comportamento dos dois times. Mesmo os jovens guardas não terem nenhum tipo de histórico violento, começaram a apresentar comportamentos sádicos (Efeito Lúcifer). A sensação de impotência dos prisioneiros se torna clara a partir desse momento. A experiência começou a se tornar tão real que alguns alunos do time dos presos reagiram de forma tão extremas que tiveram que deixar o experimento antes mesmo que ele acabasse.

Não vou contar mais o que acontece no filme para não estragar, mas o que posso falar é que esse filme merece estar na sua lista de 'filmes para assistir o quanto antes'. Apesar do experimento ser de 1971, o filme retrata aspectos da sociedade que vivemos atualmente. Nos faz analisar o comportamento e abandonar algumas concepções que temos do ser humano. É um verdadeiro tapa na cara!", Amanda Takassiki, relações-públicas e empreendedora. Sócia do coletivo Todo Mundo Precisa de um RP

Crédito:reprodução
Sobre o filme:
Título: O Experimento de Aprisionamento de Stanford
Data de lançamento: 14 de abril de 2016 
Direção: Kyle Patrick Alvarez
Elenco: Billy Crudup, Ezra Miller, Michael Angarano, Olivia Thirlby
Gênero: Drama, Suspense

Ler, ver e beber
Profissionais e estudantes de comunicação dão dicas culturais, de todos os lugares do Brasil e do mundo. Às segundas, dicas de livro; às quartas, filmes, documentários e afins e às sextas, bares, restaurantes e etc. Para participar é fácil. Basta mandar um e-mail para redacao@portalimprensa.com.br ou mandar uma mensagem pelo nosso Facebook.