“A sociedade não pode resistir à presença feminina no mercado”, diz Kátia Pereira

Vanessa Gonçalves | 05/04/2016 15:30
Há 13 anos, as ondas do rádio dão voz à jornalista Kátia Pereira. Dali da Rádio Itatiaia, onde apresenta o “Jornal da Itatiaia 1ª e 2ª edições” e participa “ Observatório Feminino”, ela é porta-voz de milhares de outros personagens femininos que passeiam e atuam em diferentes extratos da sociedade.

Crédito:Divulgação
Kátia Pereira, vencedora da categoria “Âncora de Rádio”

Parte de uma equipe comprometida com o ouvinte, a vencedora da categoria “Âncora de Rádio” da 11ª edição do Troféu Mulher IMPRENSA, recebeu 37% dos mais de 81 votos registrados e atribui essa conquista ao trabalho em equipe. “Estou há 13 anos na emissora e testemunho todos os dias o empenho da nossa equipe com a informação precisa e com a prestação de serviço”.  

Kátia defende que a conquista de prêmios como o Troféu Mulher IMPRENSA só é possível por fazer parte de uma emissora como a Itatiaia, empenhada em noticiar os fatos de Minas Gerais, o Brasil e o mundo.  

Mais do que isso, a jornalista que atuou em diversos veículos, como Super Notícia, O Tempo, Revista Caras, Record e BHNews, vê a presença feminina no mercado como algo marcante. “Acredito que passamos por um momento em que a participação da mulher não pode mais ser ignorada. Atualmente, nós atuamos nas mais diferentes áreas e a sociedade não pode mais resistir à presença feminina no mercado de trabalho”.

Para ela, prêmios como Troféu Mulher Imprensa, apesar de estarmos no século XXI, são importantes porque reconhecem o trabalho de mulheres nas redações de jornalismo pelo país. “Um prêmio assim ainda é necessário. A História nos mostra que houve um tempo em que se suspeitava que nem alma tínhamos. Não há dúvida de que a temos e a colocamos em tudo que fazemos”, conclui.

Conheça todas as vencedoras do Troféu Mulher IMPRENSA.

Leia também
“É uma luta coletiva”, diz Sandra Annenberg sobre direitos das mulheres
Yara Peres destaca a importância da mulher na comunicação corporativa
“A presença de mulheres no campo do jornalismo é marcante”, defende Malu Weber