Eduardo Cunha inaugura lei e pede direito de resposta contra jornal "O Globo"

Redação Portal IMPRENSA | 13/11/2015 21:30

Sancionada na última quinta-feira (11/11) pela presidente Dilma Rousseff, a lei do direito de resposta foi inaugurada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na sexta (13/11). O parlamentar informou que enviará ao jornal O Globo um pedido de resposta contra a reportagem “Procuração mostra que Cunha podia movimentar conta na Suíça”.


Crédito:Agência Brasil
Eduardo Cunha "inaugurou" nova lei do direito de resposta


De acordo com Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Cunha é o primeiro político brasileiro a fazer uso da Lei 13.188/2015. Agora, o jornal terá até sete dias para conceder a resposta ao parlamentar, cedendo o mesmo destaque e tamanho da reportagem.


Devido as novas regras, O Globo cederá a manchete de capa e uma página inteira à resposta do presidente da Câmara. O jornal informa que no pedido Cunha não contesta os fatos apresentados na matéria.


A Abraji defende que o direito à reparação de um indivíduo que se sinta ofendido ou prejudicado por uma produção jornalística não deve se sobrepor ao direito de acesso a informações. Assim, a  obrigação de publicar uma resposta que não necessariamente esclarecerá fatos, em detrimento de produções jornalísticas sobre temas de interesse público, prejudica a liberdade de expressão e informação.


Caso o jornal não conceda o direito de resposta ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha poderá abrir ação judicial para obrigar O Globo a veicular o material.



Leia também

- Entidades jornalísticas questionam nova lei que regulamenta o direito de resposta
- Abraji critica falta de veto a "artigos críticos" em projeto de lei do direito de resposta
- Dilma sanciona projeto de lei que regulamenta o direito de resposta