Opinião - Hugo Chávez: ninguém sabe, ninguém viu

Thaís Naldoni | 07/01/2013 12:50

Acompanhando o desdobramento sobre o estado de saúde do presidente da Venezuela Hugo Chávez, que enfrenta um tratamento com um câncer grave, fico pensando no quão perigoso é um país não dar informações claras a respeito de seu líder máximo.

 

A imprensa do país bolivariano – e do mundo – vive momentos extremamente delicados. As informações oficiais dizem que o estado é “delicado”, com infecção respiratória. Tudo bem, mas o que significa isso? Até o momento, sendo que Chávez vem brigando contra a doença desde junho de 2011, ninguém sabe, ninguém viu em que região é, de fato, o tumor. Da primeira vez, falou-se em “região pélvica”, da segunda “região abdominal”.

 

Independentemente de qual lado a bandeira flana, um país que se diz democrático deve ser mais claro em momentos de crise. A informação dada de forma aberta impediria que um milhão de boatos de espalhassem pela imprensa mundial, atenuaria o clima de tensão e incerteza que ronda o país, às vésperas da data da posse de mais um mandato de seu líder e, certamente, esclareceriam as reais chances de Chávez voltar ao poder e daria ao país mais chances de planejar seus passos futuros, baseado em informações reais. Afinal, o estado de saúde de um presidente eleito pelo povo não deveria ser público?

 

Na América Latina houve diversos casos em que líderes (ou pessoas em cargos de confiança) tiveram problemas de saúde graves. No Paraguai, o então presidente Fernando Lugo enfrentou um linfoma, tratado no Brasil, com boletins médicos diários e entrevistas constantes sobre o desenvolvimento da doença, que teve remissão completa em meados de 2011.

 

No Brasil, Dilma Rousseff, enquanto ocupava o cargo de ministra-chefe da Casa Civil, também passou pelo tratamento de um linfoma, no início de 2009. Já apontada com provável candidata do PT à Presidência da República, Dilma também levou a público seu estado de saúde e tratamento. E, por fim, o ex-presidente Lula também tratou às claras seu tratamento contra um câncer na laringe.

 

A sonegação de informações à mídia e ao povo sobre o estado de saúde de grandes líderes não fortalece a figura política, tampouco resguarda os cargos e o poder. A falta de clareza gera dúvidas, incertezas, boatos e confusões, que podem custar caro política e economicamente ao país, além de favorecer o caos e a desordem local. Vamos aos próximos capítulos.


Para ler outros textos da colunista, clique aqui


Twitter: @thaisnaldoni