Após golpe, governo turco se apropria de grupo de comunicação da oposição

Redação Portal IMPRENSA | 27/10/2015 16:00
Uma nota emitida pelo Partido da Justiça e Desenvolvimento (AK Party) da Turquia anunciou na última segunda-feira (26/10) que um administrador pró-governo assumirá a gestão do grupo Koza Ipek Holding, dono dos principais veículos de comunicação da oposição no país, como Bogun e Kanalturk. 

Crédito:Reprodução/Agência Cihan
Grupo de mídia da oposição será administrado por membros do governo

Segundo o Today’s Zaman, o administrador substituirá o atual Conselho de Administração do grupo e passará a gerenciar todas as empresas controladas pela Koza. 

O recurso, chamado de "Julgamento de Paz", foi deferido pelo 5° Tribunal Penal da Paz de Ankara, que validou as acusações apresentadas pelo presidente do país, Recep Tayyip Erdogan, de que o grupo estaria "financiando o terror e propagando outros crimes em conjunto de Fethullah Gullen", desafeto do líder político. 

A decisão tem recebido diversas críticas por parte da imprensa turca. Em comunicado, o grupo ressaltou a contrariedade da medida tomada em relação à constituição turca, que defende apresentação de relatório detalhado pelo Ministério do Comércio que comprove a incapacidade de operação da empresa por parte dos presidentes. Somente após esta comprovação é que a apreensão pode ser feita, segundo a constituição do país. 

"Quando não podiam silenciar a imprensa livre, quando não podiam impedir sua eficácia, o plano de convertê-la em membro da imprensa oficial tomou corpo. Os direitos de propriedade, liberdade de expressão e à informação foram pisoteados. Mais uma vez estamos experimentando um dia negro para a democracia turca, os direitos humanos e o estado de direito", comunicou o grupo.


Leia também
Jornalista sugere califado de presidente da Turquia em novo cenário político no país
Entidades denunciam governo brasileiro na OEA por hostilidades a jornalistas
Relatório médico indica que jornalista cometeu suicídio em aeroporto turco