Refugiados sírios ajudam jornalista português atingido por militares da Hungria

Redação Portal IMPRENSA | 16/09/2015 16:00
Na última terça-feira (15/9), o repórter António Galvão da TVI, de Portugal, foi socorrido por imigrantes sírios após ser atingido por gás lacrimogênio e canhões de água disparados pela polícia da Hungria durante um conflito realizado na fronteira do país com a Sérvia.

Crédito:Reprodução/Twitter
Refugiados ajudar o repórter que foi atingido por gás de pimenta e lacrimogênio

De acordo com o Jornal de Notícias, o jornalista cobria o confronto entre os militares húngaros e os refugiados quando acabou atingido por fragmentos de gás lacrimogênio, gás de pimenta e canhões de água.

Colega de Galvão, o jornalista Pedro Moreira, da TVI, registrou a cena em sua conta no Twitter: "Refugiados auxiliam repórter de imagem da TVI, António Galvão, depois da carga de gás de pimenta da polícia húngara". 

À France Presse, um porta-voz da polícia húngara comentou o conflito. "A multidão do lado sérvio se tornou agressiva, lançou pedras, garrafas e paus contra a polícia do lado húngaro e passou a barreira da fronteira", comentou.


Leia também
Cinegrafista húngara divulga novo pedido de desculpas por chutar refugiados
"Como posso perdoá-la?", diz refugiado sírio sobre agressão de cinegrafista húngara
Em revista, EI usa foto de menino morto para alertar sobre o "perigo" de fuga da Síria