Após declaração polêmica de presidente, jornalista é morto a tiros no Sudão

Redação Portal IMPRENSA | 20/08/2015 16:00
O jornalista Peter Julius Moi, do Sudão, foi morto a tiros na última quarta-feira (19/8). O assassinato do repórter aconteceu logo após o presidente do país, Salva Kiir, ameaçar “matar profissionais de imprensa que trabalharem contra o governo”.

Crédito:Reprodução
Jornalista foi assassinado após presidente dizer que mataria membros da imprensa


“A liberdade de imprensa não significa que você trabalhe contra seu país. E se algum deles não sabe que esse país já matou pessoas, vamos demonstrar isso com eles algum dia”, disse o governante antes de viajar à Etiópia promover negociações de paz.

De acordo com a Reuters, o jornalista trabalhava para o portal New Nation em Juba, capital do país, e foi baleado a caminho de casa. Moradores da região afirmam que ele foi atingido por dois tiros nas costas. 

Para o representante do Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) na África, Tom Rhodes, ainda é cedo para dizer se “a tragédia” tem relação com o pronunciamento do presidente. “Os jornalistas locais estão cada vez mais forçados à auto-censura para continuar fazendo seu trabalho”, afirmou. 

Moi não é o primeiro jornalista que morreu no Sudão do Sul. Em janeiro deste ano, outros seis profissionais foram assassinados em uma emboscada na região de Bahr el-Ghazal. Vários jornais e emissoras de televisão também foram fechadas pelas autoridades sem aviso prévio ou mandado judicial.

Leia também