"Eles acham que sou terrorista porque entrevistei bin Laden", diz jornalista sírio

Redação Portal IMPRENSA | 22/05/2015 17:30
A jornalista Cora Currier, do jornal digital The Intercept, publicou na última quinta-feira (21/5) uma matéria a respeito do repórter sírio Ahmad Zaidan, da Al-Jazeera, que desde o início do mês de maio vem sendo investigado e acusado pelo governo dos Estados Unidos de ser membro da organização islâmica Al-Qaeda. 

Crédito:Reprodução
Ahmad Zaidan teme ser morto pelo governo americano

Segundo o texto, o jornalista sírio afirmou ter sido colocado em uma lista de "observação e combate ao terrorismo". Ele ainda ressaltou que o modelo de monitoramento americano é imoral e antiético.
 
"Eles acham que sou terrorista porque entrevistei Osama bin Laden e cobri o casamento de seu filho, em 2001. Mas, este é o trabalho do jornalista. Somos uma espécie de intermediários em casos onde as duas partes não se relacionam. Isso é totalmente antiético", disse. 

Além das críticas, o jornalista acredita que a vigilância se dê por conta da discriminação contra povos não-ocidentais. "Se Peter Bergen [americano] ou Robert Fisk [britânico] entrevistassem bin Laden, não haveria problema". 

Zaidan também afirmou que tem temido por sua segurança. "Se você é da Al-Qaeda, isso significa que eles [EUA] podem eliminá-lo. Sinto medo disso e agora a culpa será da América", finalizou. 

Leia também
Editor-chefe de jornal escolar é ameaçado por edição sobre o ataque à "Charlie Hebdo"
Comissão da Câmara rejeita proposta de federalização de crimes contra jornalistas
Fotógrafo de jornal é baleado durante operação do Bope em Niterói (RJ)