Jornalista francês que revelou caso LuxLeaks é processado pelo governo de Luxemburgo

Redação Portal IMPRENSA | 24/04/2015 12:30
O jornalista francês Édouard Perrin, que revelou o caso LuxLeaks — sobre a concessão de benefícios fiscais a multinacionais pelo governo de Luxemburgo —, foi formalmente acusado na última quinta-feira (23/4) de diversos delitos, informou o Ministério Público luxemburguês.

Crédito:Reprodução/Vimeo
Jornalista é acusado por divulgar as informações do caso

Segundo a Agência Lusa, o órgão não identificou o nome do jornalista, mas uma fonte judicial confirmou que se trata de Perrin. De acordo com o Ministério, ele é acusado de ser coautor das infrações cometidas por um dos antigos colaboradores da PricewaterhouseCoopers (PwC).  

Perrin é a terceira pessoa a ser formalmente acusada em Luxemburgo. O colaborador do gabinete de auditoria da consultora PwC, Antoine Deltour, e um funcionário da empresa de onde originava a maior parte dos documentos do LuxLeaks, também são apontados no processo.

Deltour deixou a empresa em 2010. Antes de deixar o cargo, ele copiou do servidor centenas de mensagens confidenciais entre a autoridade fiscal do país e multinacionais. O colaborador entregou os documentos ao jornalista, que passou a revelar as atividades da consultora em maio de 2012 pela emissora France 2. 

Os arquivos, referentes a um período em que o atual presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, era primeiro-ministro e ministro das Finanças de Luxemburgo, revelou a existência de diversas "tax rulings" (decisões fiscais).

O mecanismo permite a uma multinacional solicitar antecipadamente o plano fiscal que será aplicado num determinado país para, através de sistemas de otimização, elaborar a repartição mais vantajosa de custos para as suas filiais.

Leia também