O festival da fome e da miséria - Karen Leão / Manaus

Por Karen Leão estudante de jornalismo do Centro Universitário Nilton Lins / Manaus | 13/12/2004 11:41

Assistindo aos noticiários estava vendo como o Brasil está investindo na cultura, inclusive esse investimento já chegou até em Manaus.
Na mesma semana estavam acontecendo dois festivais simultaneamente, o de Manaus e o de Brasília - ambos de cinema. 
O de Brasília eu não posso falar muito, pois não estava lá, porém o daqui apesar de não ter participado de nenhuma programação soube que estava repleto de celebridades.
Todos os dias os jornais publicavam em suas colunas, fotos e matérias sobre atores globais e personalidades da terra prestigiando todos os eventos cinematográficos, um luxo.
Agora, com esse festival, acho que Manaus já está fazendo um pouco mais parte lá do Brasil. Afirmo isso porque como uma boa amazonense, já percebi como nossa terra é discriminada, não só pela distância geográfica, mas pela herança forte dos índios que nos foi deixada. (Não pretendo entrar no mérito da questão).
Até agora, você leitor, não deve ter ligado o título ao texto, mas já estou chegando lá.
Na mesma semana fiz uma pesquisa na internet e encontrei dados surpreendentes.
Você sabia que num país rico como o Brasil, que tem uma produção agrícola e industrial de ponta em alguns setores, 50% da população está vivendo abaixo da linha da pobreza? E pior os analfabetos já somam 13,63% e 32 milhões de pessoas passam fome no Brasil.
Não para por aí, o que mais me chocou foi saber que todos os dias, ou seja, diariamente morrem 280 crianças brasileiras por doenças causadas pela desnutrição antes de completarem 1 ano (números da Organização das Nações Unidas - ONU).
Esse festival de números mostra o retrato social deste país "elitizado" e que investe em cultura, esporte, e que socorre banqueiros quando estes precisam. De maneira nenhuma sou contra os festivais de cinema, ópera ou qualquer outro tipo de ajuda, mas o que penso é: por que não fazer um Festival Contra a Fome?
Sim, algumas campanhas surgem em algumas épocas do ano. No dia das crianças, natal e poucas outras datas. Então eu pergunto será que só nessa época as pessoas tem fome?
Ainda não ví a mídia massificar uma campanha contra a fome e a desnutrição como ví agora no festival de cinema de Manaus. Dar cultura ao povo é bom? Sim claro que é, mas ninguém recebe cultura com a barriga roncando de fome.
Sei que é uma luta árdua conscientizar não só os governos, mas também a sociedade. É necessário que todos nós participemos unidos por essa causa. Se cada um der um pouco, será muito para o que nada tem.
Lembremos que não é só em outubro, em dezembro - nas festas de fim de ano, que os miseráveis sentem fome, pois apesar de serem pobres a fome deles é igualzinha a nossa.
Meu desejo é sim, que ainda surjam muitos festivais de ópera, música, cinema e outros, mas principalmente que existam festivais contra a fome, a pobreza e a violência pois só dessa maneira a nossa sociedade poderá viver melhor.