“Estudar vale a pena”, diz Tânia Brandão homenageada da região Norte pelo Professor IMPRENSA

Redação Portal IMPRENSA | 24/11/2017 15:13
A 3.ª edição do Professor IMPRENSA, uma iniciativa da Revista e Portal IMPRENSA, com o apoio da Intercom e Jeduca, anunciou os homenageados de 2017 na segunda-feira (13). Na categoria “Professor Universitário” da região Norte, a jornalista Tânia Brandão, do Centro Universitário do Norte – UNINORTE / AM foi laureada pelos alunos.
Crédito: Jander Souza
“Depois de ter uma atuação mais focada no mercado, senti  necessidade de construir uma carreira acadêmica unindo essas duas áreas. Mas minha atuação no magistério sempre salientou a necessidade de superar o tecnicismo no ensino da comunicação. Acredito que os rumos das profissões desta área apontam para uma postura mais crítica, mais analítica na produção dos conteúdos”, aponta. 

Tânia diz fala sobre o professor que a inspirou no trajeto acadêmico. “O professor Narciso Lobo, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), foi um grande motivador. Com uma atuação muito significativa no campo da política e na cultura de Manaus, Narciso Lobo teve uma influência muito forte na formação política para nós, estudantes nos anos 1990. Gostava das aulas dele, da sua postura crítica e da discussão que ele suscitava nas aulas. Narciso faz muita falta nesse momento em que tantos querem falar, esquecendo que a comunicação é também e, sobretudo, um exercício de escuta e o jornalismo uma atuação pautada na interpretação”, afirma. “Como professora gosto da atuação de Leandro Karnal , Mário Sérgio Cortela e Viviane Mosé que estimulam o debate público sem rebuscamento e influenciam os jovens a discutir questões essenciais da vida”, complementa.

No jornalismo Tânia gosta muito dos trabalhos de Eliane Brum, Beatriz Castro, Francisco José e Geneton Moares. 

Sobre a homenagem do Professor IMPRENSA, ela acredita que o reconhecimento é um estímulo para os que apostam na educação como a possibilidade de mudar a realidade individual e coletivamente. “Eu sempre entro na sala de aula e quando olho meus alunos vejo cansaço porque a maioria trabalha ao longo do dia. Além dos conteúdos da disciplina, minha função neste contexto é apresentar a eles uma perspectiva diferente: que estudar vale a pena, que para conhecimento não existe atalho e que embora mais trabalhoso e sacrificante, o caminho pautado na busca pelo conhecimento é mais seguro, uma vez que é uma conquista individual. Um professor é um agente de transformação. Eu acredito nisso”, conclui.