Em MG, prefeita é presa por envolvimento em assassinato de jornalista

Redação Portal IMPRENSA | 08/09/2017 09:08
Roseli Ferreira Pimentel (PSB), prefeita de Santa Luzia, em Minas Gerais, foi presa na manhã de quinta-feira (7), acusada de envolvimento no assassinato do jornalista Maurício Campos Rosa. O crime aconteceu em agosto de 2016 e além de Roseli, outros três homens suspeitos também foram levados pela polícia. As informações são do Jornal O Globo. 

Crédito:Reprodução O Globo

O jornalista era dono do jornal local "O Grito", distribuído gratuitamente há mais de 20 anos na cidade, que faz parte da região metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a polícia, Rosa foi morto com cinco tiros ao sair da casa de um conhecido. A prefeita já havia sido condenada anteriormente em outra ação por enviar mensagens aos diretores e professores de escolas pedindo que influenciassem pais de alunos nas eleições.

Em 2012, foi eleita vice-prefeita na chapa com Carlos Alberto Parrilo Calixto. Após a morte de Calixto em decorrência de um aneurisma, em 2016, Roseli assumiu o comando da cidade de 72 mil habitantes.

No ano passado, Roseli foi reeleita com 34% dos votos, mas em abril deste ano foi afastada pelo o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) por abuso de poder econômico e propaganda indevida com excesso de gastos em publicidade institucional. Em junho, a prefeita foi reconduzida ao cargo por meio de uma liminar do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

O Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa de Minas Gerais (DHPP) deve fazer uma coletiva ainda essa semana para explicar a prisão, a motivação do crime e a relação entre a vítima e os acusados. Além da chefe do executivo foram presos David Santos Lima, Alessandro de Oliveira Souza e Gustavo Sérgio Soares Silva. 

Histórico

Desde 1992, Roseli atuou como professora, supervisora e diretora de escolas. Ingressou na política em 2009, quando se tornou assessora da procuradoria da Câmara de Vereadores.