ESPN Brasil garante que o comentarista Alê Oliveira não fez injúria racial a funcionária

Redação Portal IMPRENSA | 27/07/2017 20:00

Nota atualizada às 9h54 de sexta-feira, 28 de julho


A ESPN Brasil nega em nota oficial que o comentarista Alexandre Oliveira tenha feito uma ofensa racista a uma maquiadora do canal. De acordo com notícia publicada nesta quarta-feira, 26, pelo blogueiro Leo Dias, do jornal O Dia, Alê chamou a funcionária de “preta de merda” durante uma discussão. A emissora confirma que o desentendimento aconteceu, há cerca de uma semana, mas apurou que a injúria racial não aconteceu.

Crédito:Reprodução

Em entrevista ao portal UOL, Alê disse que estuda acionar o blogueiro na Justiça. “Para ser sincero, eu vou conversar com minha família, eles que são mais atingidos. É difícil para minha esposa, mãe, filha, enteadas. Cada hora uma notícia leviana. Elas não pediram para ter uma pessoa pública ao lado delas, não foi assim que minha esposa me conheceu. Ninguém pediu isso. Preciso ver direitinho, ver o que vai acontecer, decidir meus próximos passos. Em um espaço curto de tempo, as pessoas estão tentando me atingir, me ferir”.


Já anunciadas pelo próprio comentarista no "Bate Bola Debate" desde semana passada, as férias de Alê começariam na próxima segunda-feira, 31, mas foram antecipadas para esta quinta-feira, 27. A ESPN já o havia afastado do programa de quarta para preservá-lo.


Procurado pelo Portal IMPRENSA, Leo Dias bancou a informação publicada de que houve ofensa racial e diz não se preocupar com uma possível ação judicial: "Jornalismo é feito de versões. Eu tenho a versão de que a funcionária sofreu injúria racial. Ela pediu para não ser identificada. Jornalismo é isso, apresentar os dois lados. Quanto ao fato de ele me processar, tem todo o direito. Mas, sinceramente, ele devia se preocupar com a questão do racismo, que é crime inafiançável".


Saiba mais:

Universidade Federal do Acre vai apurar denúncia de homofobia feita contra docente

Estudante registra BO contra professor que a impediu de ser âncora em exercício por causa do cabelo

Justiça aceita denúncia contra grupo por ataques racistas contra Maria Júlia Coutinho