IMPRENSA lança pesquisa sobre a liberdade no exercício do jornalismo. Participe!

Redação Portal IMPRENSA | 10/02/2017 13:00
A Pesquisa Liberdade de Imprensa 2017 está sendo promovida pelo Portal IMPRENSA, em parceria com a FRAN6 Pesquisa, com o objetivo de levantar a percepção dos jornalistas brasileiros quanto ao grau de liberdade na redação e publicação de matérias, e no exercício da profissão.


Levantamento da FENAJ, feito em parceria com os Sindicatos de Jornalistas e divulgado no dia 12 de janeiro deste ano, aponta um crescimento de 17,52% no número de casos de agressões. O Relatório da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa 2016 mostra que foram 161 casos de violência contra a categoria, 24 a mais do que os 137 casos registrados em 2015.

Em novembro de 2016, no Dia Internacional para Terminar com a Impunidade em Crimes contra Jornalistas, a Unesco informou que entre 2014 e 2015 foram assassinados 51 trabalhadores de meios de comunicação na América Latina. Segundo a organização, essa é hoje a segunda região mais perigosa para jornalistas, superada apenas pelos países árabes.

Diante deste cenário, a pesquisa promovida por IMPRENSA procura também identificar as principais formas de pressão que os profissionais sofrem atualmente, as mudanças na liberdade de expressão nas redações nos últimos 10 anos e a percepção da liberdade na imprensa internacional.

A pesquisa pode ser acessada pelo Portal IMPRENSA e respondida por jornalistas autônomos e contratados das cinco regiões do Brasil até o dia 16 de março. 

Os resultados da Pesquisa Liberdade de Imprensa 2017 serão apresentados no 9º Fórum Liberdade de Imprensa e Democracia, que será realizado pelo Portal IMPRENSA no dia 2 de maio, na sede da OAB-DF, em Brasília. 

Para contribuir com a Pesquisa Liberdade de Imprensa 2017, clique aqui.

• Pesquisa Liberdade de Imprensa – 1ª edição, realizada em 2007

“Os jornalistas brasileiros vivem um paradoxo. Por um lado, acreditam viver no país que mais respeita a liberdade de imprensa na América Latina. Por outro, reclamam que sofrem variados tipos de pressão no exercício da profissão”. Esse foi o resultado de uma ampla pesquisa sobre liberdade de imprensa publicada em 2007 e encomendada pela Revista IMPRENSA, Aberje e Maxpress. 

Na pesquisa, que ouviu profissionais de todas as regiões, cargos e plataformas do país, a ampla maioria dos jornalistas (86%) revelou que já sofreu pelo menos dois tipos diferentes de pressão, com o pedido de não publicação ou divulgação da matéria no topo, seguido por ameaça de processo jurídico, manipulação de dados, ameaça física, ameaça de demissão e demissão efetiva.


Leia também: