Jornalistas lamentam morte de Phelippe Daou, fundador da Rede Amazônica

Redação Portal IMPRENSA | 15/12/2016 09:30
Morreu, na tarde da última quarta-feira (14/12), aos 87 anos, o jornalista e presidente da emissora Rede Amazônica, Phelippe Daou. Ele estava internado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para uma cirurgia e morreu de falência múltipla dos órgãos.

Crédito:Rodrigo Sales

De acordo com o G1, a morte de Daou foi lamentada por jornalistas que trabalharam com ele e que o admiravam. Os profissionais lembraram da personalidade e da importância do jornalista para a comunicação na Região Norte. 

O diretor de jornalismo da Rede Amazônica, Luis Augusto Pires Batista, lembrou as mortes de outros dois fundadores da empresa, Joaquim Margarido e Milton Cordeiro, ainda no segundo semestre deste ano e disse esperar fazer uma grande homenagem a Daou.

"É um dos maiores nomes do jornalismo amazonense, grande empresário que fez de tudo para projetar a Amazônia e essa missão segue com a gente", disse.

A gerente de jornalismo da Rede Amazônica Ercilene Oliveira, destacou que o empresário foi um “sonhador que tirou a Amazônia do  isolamento”, ao fundar a maior rede de comunicação do Norte do país.

"Ele foi um sonhador que transformou ideais em realidade, e criou projetos grandiosos. Foi um grande homem. Um empresário que lutou pela Amazônia com todas as suas forças. Seus ideais jamais serão esquecidos", afirmou.

O radialista e gerente de Jornalismo da Amazonas FM, Patrick Motta, recordou a preocupação do jornalista com as questões da Amazônia. "O Dr. Phelippe conseguiu fazer TV nos anos 1970, quando a Amazônia era um mito. Ninguém sabia o que era ou investir aqui. Conseguiu fazer a integração da região".

Leia também: