Veículos apostam em infográficos para elucidar reportagens de economia

Gabriela Ferigato | 29/11/2016 03:00



Em 18 de agosto de 1909, a edição de O Estado de S. Paulo mostrava como o crescimento do comércio internacional no Brasil impactava o tráfego marítimo. O diferencial da informação, porém, estava em um quadro, até então pouco visto na imprensa, logo acima da legenda, mostrando a evolução dessa realidade.


Hoje, quase 110 anos depois, esse mesmo jornal utiliza softwares de desenho editorial, como o Illustrator, para layout e montagem de gráficos simples; e ferramentas de visualização de dados, como o D3, para produção de gráficos mais elaborados. Em linhas gerais, o fato é que a infografia evoluiu e já é parte fundamental nos veículos 

Dentro da editoria de economia, se tornou um elemento chave na democratização da informação e na compreensão de assuntos mais áridos. Segundo Leandro Maciel, editor de arte da Zero Hora, o recurso contribui dentro de um jornalismo cada vez mais visual.

“O jornalismo impresso e digital com textos rebuscados e duros está dando lugar a um novo jornalismo. Onde as imagens, a infografia e as ilustrações agem fortemente para que as informações contidas nas matérias sejam entendidas e compreendidas pelo leitor. Transformar uma matéria complexa em algo didático e organizado é uma boa tática na disputa ferrenha pela atenção do leitor”, diz.

Como infográfico de economia mais trabalhoso feito pela equipe da Zero Hora, composta por cinco profissionais, Maciel destaca o sobre a Crise Global. “Foram vários meses de desafios constantes na tentativa de traduzir para o leitor o momento da economia no mundo”, ressalta. [Veja o infográfico na galeria abaixo].

A relação entre o departamento de arte e o de jornalismo é constante. De acordo com Fabio Sales, editor-executivo de arte do Grupo Estado, no veículo o jornalista está o tempo inteiro envolvido no processo, desde as primeiras concepções gráficas, até o trabalho de acabamento final.

“Ele é o ‘proprietário’ da informação e peça fundamental para que o infografista não cometa erros na interpretação da informação. Basicamente a divisão do trabalho fica assim: o jornalista cuida do conteúdo e o infografista da forma, mas intervenções são bem-vindas. A produção é um trabalho multidisciplinar”, afirma. 

Maciel, da Zero Hora, enfatiza a ideia de que é um trabalho de várias mãos, mas destaca que estimula a pró-atividade da editoria de arte. “Há muito conhecimento e experiência para explorar e contribuir”. 

Na Exame.com, os infográficos são criados para complementar algumas matérias, dando ao leitor mais informação. Porém, segundo o designer Rodrigo Costa Sanches, em muitos casos, são feitos sem a necessidade de complemento, ou seja, são publicados diretamente no site com os dados já apurados. Um exemplo são os gráficos do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) dentro da editoria de economia.

Profissionais preveem que dispositivos como o HoloLens, novo projeto de realidade aumentada da Microsoft, e óculos de realidade virtual do futuro podem mudar a forma como se vê e trabalha com infográficos.

“Seja pela forma em como mostrar as informações desejadas ou pela capacidade de interação do usuário”, opina Sanches, da Exame.com. 

Confira abaixo alguns infográficos feitos para a editoria de economia selecionados pelos profissionais: