Coleguinhas: As quatro profissões da jornalista Gilda Seabra

Redação Portal IMPRENSA | 16/08/2016 11:00
À primeira vista, o jornalismo, o direito, a arquitetura e o ballet clássico parecem fazer parte de universos bem distintos, mas Gilda Seabra conseguiu colocá-los lado a lado. Formada pelos quatro, cada um deles ocupa um espaço importante em sua vida. Ao mesmo tempo, cursou o jornalismo e o direito. No terceiro ano de ambos, percebeu que seu mundo profissional não seria como jornalista, como imaginava, mas nem por isso desistiu do curso.  
Crédito:arquivo pessoal
Estagiou na rádio Eldorado, no jornal Diário do Grande ABC e na área de reportagem da revista Playboy, onde fez sua despedida de uma carreira para mergulhar de vez em outra, ou melhor, outras. Com o fim de um doutorado em direito, decidiu que havia chegado a hora de cursar uma faculdade que sempre fez brilhar seus olhos, a arquitetura e urbanismo. 

“Foi com muita alegria que via outra coisa além da área jurídica. Após formada, fui convidada por dois ex-professores para compor o quadro de profissionais de seus escritórios – onde estou até hoje. Por vezes, passo noites em claro a elaborar projetos de arquitetura ou a redigir peças processuais, mas nada que me desestimule a continuar em ambas, já que meu período de trabalho preferido é o da madrugada, hora em que as ideias surgem com muito mais facilidade”, conta.

O quarto elemento é caso antigo. Surgiu quando ainda era criança, juntamente com a música clássica. “Segui na carreira, dançando em alguns grupos amadores, sem qualquer compromisso profissional, apenas por gostar da dança. Hoje, do ballet, restaram-me as sapatilhas rosa de ponta, apenas. Danço, ainda, mas apenas dança de salão”.

Leia também
- Coleguinhas: As aventuras gastronômicas do jornalista Rodrigo Saraiva
Coleguinhas: O empreendimento sustentável da jornalista Monique Klein
- Coleguinhas: Lívia Moraes divide o tempo entre reportagens e o amor pela costura