ANJ e AMB pedem para representar interesses em ação contra "Gazeta do Povo"

Redação Portal IMPRENSA | 11/08/2016 09:00
A Associação Nacional dos Jornais (ANJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) decidiram tomar partido na ação entre o jornal Gazeta do Povo e juízes paranaenses, por reportagens sobre os supersálarios da classe.

Crédito:Reprodução
Jornal paranaense é alvo de 48 ações movidas por juízes e promotores do estado

De acordo com a Folha de S.Paulo, nesta semana, as entidades encaminharam ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedidos de "amicus curiae" (amigo da parte). Assim, enquanto a ANJ defende os interesses do veículo, a AMB fica ao lado dos juízes.

Em fevereiro deste ano, a Gazeta publicou reportagens sobre “supersalários”, repercutindo o debate sobre o teto constitucional na remuneração de funcionários públicos. Depois da divulgação dos dados, juízes e promotores, ofendidos pelos textos, abriram, até o momento, 48 ações individuais contra os profissionais do diário.

Cinco meses depois, a ministra Rosa Weber, do STF, decidiu suspender todas as ações e audiências movidas contra os jornalistas do jornal, medida que deixou os casos paralisados até o julgamento do mérito pelo tribunal, que ainda não tem data definida para ocorrer. 

A ANJ defende que houve uma "clara tentativa de intimidação da imprensa" por parte dos juízes. Já a AMB, afirma que é parte de seu papel "representar judicial e extrajudicialmente, de ofício ou a requerimento, os direitos e interesses institucionais de seus associados". Os pedidos de "amicus curiae" são analisados pela ministra.

Leia também: