“Falta olhar longe das competições”, diz Renato Peters sobre as Paraolimpíadas

Gabriela Ferigato | 29/06/2016 16:30


O primeiro contato de Renato Peters, repórter da TV Globo, com o tema paraolimpíadas aconteceu em 2003, quando acompanhou o treinamento da seleção brasileira em Brasília para o programa “Esporte Espetacular”.
Crédito:divulgação
Renato Peters, repórter da TV Globo
“Peguei a pauta e tremia, pensava em como ia fazer. Cheguei lá travado, mas me deixaram a vontade. O diferente é sempre difícil, tem o medo de falar bobagem. Desde então, comecei a olhar para eles com outro olhar e saber que precisam de cobertura”.

Em 2008, foi ao ar no SporTV o programa “Sem Barreiras”, de sua autoria, que mostrou o esporte para pessoas com deficiência durante dois anos na grade da emissora. “Os atletas são lembrados quando tem Parapan-Americanos e Paraolimpíadas, aí todo mundo faz matéria. Tirando esses eventos, não tem nenhuma cobertura”.

De acordo com o jornalista, falta atenção nas emissoras ao representar esse universo. “Falta um olhar específico longe das competições. Os atletas não treinam só de quatro em quatro anos ou de dois em dois para esses dois grandes eventos”, completa. 

Fórum Cobertura Paraolímpica

O “Fórum Cobertura Paraolímpica”, idealizado por IMPRENSA com o apoio do curso de jornalismo da ESPM São Paulo, aconteceu no dia 24 de junho. Confira a cobertura completa do evento e mais informações sobre os Jogos Paraolímpicos em nosso site.

Leia também
"A abordagem é fundamental para quebrar o estigma", diz Flávia Cintra
"É uma evolução", diz repórter da NHK sobre cobertura paraolímpica
"É preciso tratá-los como atletas", diz Parsons sobre a cobertura paraolímpica