Correspondente da NHK ressalta que falta divulgação para os Jogos Paraolímpicos

Gabriela Ferigato | 29/06/2016 15:30


Para a correspondente Lilian Migliorini, da NHK Japan Broadcasting Corporation, tanto a mídia brasileira como a internacional sofrem do mesmo problema: o esporte paraolímpico ainda não é muito conhecido e divulgado.
Crédito:arquivo pessoal
Lilian Migliorini, da NHK Japan Broadcasting Corporation
“Acho que a imprensa está muito focada nos Jogos Olímpicos. Todos os eventos olímpicos estão cheios. Temos que competir na zona mista para ver se conseguimos falar com algum atleta”, ressalta Lilian.

A jornalista, que há um ano e meio cobre o tema diretamente do Rio de Janeiro, onde a emissora inaugurou um escritório, afirma que trabalha muito a questão da acessibilidade. “Sempre que falamos de paraolímpico, falamos de tudo que envolve isso, não apenas o esporte”. 

Segundo a correspondente, para a imprensa internacional, o foco no momento são todos os preparativos, como estão as obras, as construções. Ao mesmo tempo em que se preocupa se os jogos serão o sucesso que deveria ser, Lilian trabalha para mostrar o que está sendo feito.

“No Japão, tentamos manter esse clima, do que está sendo feito. Esse é o espírito do esporte, ir além. Porque os atletas têm essa coisa da superação, ultrapassar obstáculos. Então a gente também se sente desafiado a produzir algo que provoque mudança positiva”.

Fórum Cobertura Paraolímpica

O “Fórum Cobertura Paraolímpica”, idealizado por IMPRENSA com o apoio do curso de jornalismo da ESPM São Paulo, aconteceu no dia 24 de junho. Confira a cobertura completa do evento e mais informações sobre os Jogos Paraolímpicos em nosso site.

Leia também
"A abordagem é fundamental para quebrar o estigma", diz Flávia Cintra
"É uma evolução", diz repórter da NHK sobre cobertura paraolímpica
"É preciso tratá-los como atletas", diz Parsons sobre a cobertura paraolímpica