EBC deixa de usar "presidenta" para diferenciar gênero do cargo em reportagens

Redação Portal IMPRENSA | 01/06/2016 09:30
A Empresa Brasil de Comunicação (EBC), detentora de veículos como a TV Brasil, Agência Brasil e Radiobrás, deixou de usar o termo "presidenta" para diferenciar o gênero do cargo de presidente da República em suas reportagens. 

Crédito:Reprodução/Facebook
Estatal volta atrás e deixa de usar o termo "presidenta" sob a nova gestão

De acordo com a Folha de S.Paulo, desde o fim da semana passada os funcionários são orientados a mudar a forma de tratamento do cargo na TV e na agência de notícias. A mudança no rádio deve ocorrer nesta semana.

Somente empregados da TV receberam o alerta via e-mail. "Por orientação da gerente executiva, informamos que a TV Brasil passa a adotar a forma 'presidente' independente do gênero. Deixamos, portanto, de usar presidenta", diz a mensagem obtida pela Folha.

A empresa confirmou a alteração, explicando que os dois termos são aceitos pela norma da língua portuguesa. "Sendo assim a EBC decidiu por utilizar a terminologia 'presidente' para adequar a linguagem ao que vem sendo praticado pelos demais veículos de comunicação do país".

O uso da palavra no feminino foi adotado pela EBC desde a posse de Dilma Rousseff para seu primeiro mandato, em 2011. Após o afastamento dela do cargo, o governo interino de Michel Temer nomeou o jornalista Laerte Rimoli para a presidência da estatal, em substituição a Ricardo Melo.

Em seu primeiro discurso como presidente da EBC, Rimoli afirmou que os veículos públicos devem fazer o básico, o "arroz com feijão" no jornalismo, sem servir "a propósitos que não sejam de informação".

Leia também