Em coletiva, Alckmin não responde perguntas sobre o jornalista André Caramante

Redação Portal IMPRENSA | 14/12/2012 10:00

Na última quinta-feira (13/12), durante coletiva de imprensa o governador Geraldo Alckmin se negou a responder uma pergunta sobre o caso do jornalista André Caramante, da Folha de S.Paulo, que teve de deixar o país após receber ameaças de morte. 


Leia também

- Após ameaças e mudança para o exterior, repórter da "Folha" diz que não está escondido

- André Caramante recebe prêmio de direitos humanos

- SIP divulga relatórios e faz menção ao caso do jornalista André Caramante


Crédito:Divulgação
Governador fez silêncio quando questionado sobre garantias sobre a vida do jornalista

A jornalista Lúcia Rodrigues, da Rede Brasil Atual, fez a primeira pergunta, mas Alckmin não responde. Ele novamente ficou em silêncio após nova pergunta da repórter.


"Neste momento, o jornalista André Caramante está fora do país por ter feito uma denúncia contra o ex-comandante da Rota. Como é que o senhor se posiciona, governador?" e "Que tipo de segurança o senhor pode dar para o jornalista André Caramante que está fora do país? foram as perguntas de Lúcia. Não houve resposta.


"O senhor não vai responder?", insistiu a jornalista. Em seguida, aparentemente uma assessora de Alckmin diz que isso já foi respondido, que ele já deu entrevista sobre o assunto e pergunta se Lúcia só quer "tumultuar" a coletiva.  A jornalista responde que não, que apenas quer saber dele. Uma outra pessoa dá por "encerrada" a coletiva. Várias vozes passam a falar juntas.


Pouco depois, novamente a mesma mulher que disse que Alckimin já havia respondido e fala para a jornalista que ela "não precisa fazer isso". Lúcia responde que "não precisa 'ele' fazer isso". A mulher diz novamente que "não precisa vocês fazerem isso em todas as coletivas". "Quem 'são' vocês? Só para saber?", questiona a jornalista. "Rede Brasil Atual", conclui a mulher.


Ouça a entrevista.


Link | Download

Ameças

Em julho, Caramante publicou uma matéria em que afirmava que o ex-comandante da Rota, à época candidato a vereador de São Paulo pelo PSDB, coronel Paulo Telhada, incitava a violência no Facebook. O jornalista tomou a decisão de sair do Brasil depois que seus filhos também passaram a ser ameaçados. 



Comentários
Termos de Uso | Comentários sujeitos a moderação
Comentário:
Escolha uma das opções abaixo para comentar:
Login - Portal Imprensa
Portal Imprensa
Facebook