“Notícia literalmente na palma das mãos”, por Fernanda Iarossi

Opinião

Fernanda Iarossi | 12/08/2020 07:21

Precisa de dicas por causa do tempo muito seco? Quer saber o que fazem os filhos dos atletas brasileiros famosos? Como a NBA vai retomar os jogos com a pandemia? Quando começou a febre Fortinite? Por que o TikTok está mudando a indústria do pop?


Crédito: Reprodução UOL Stories



Vamos dizer que estas dúvidas não entram na categoria de notícias de última hora, que precisam estampar manchetes, pautar escaladas, interromper a programação para serem anunciadas ao vivo. Elas são alguns dos exemplos editoriais dos chamados webs stories da notícia da Folha de S. Paulo. Lançado em 2018 com o nome AMP Stories, são os stories do Google chamados de Web Stories.


Com imagens verticais, nos moldes da tela do celular “de pé na palma na mão”, e como textos-legenda, bem direto, curtinho e informativo, dá para folhear virtualmente a telinha verticalizada com conteúdo jornalístico que chamo de pílula informativa – cada retângulo, pode ter texto, foto, áudio, vídeo, gifs, animações para serem acessados em/por alguns segundos.


Juro que não sei se isso garante a atenção da audiência. Vale observar que esta imitação, de carregamento rápido, é mais uma das tentativas de atrair o internauta que está diante de telas, fazendo algo ao mesmo tempo. Será que tem futuro?


Crédito: Arquivo Pessoal




*Fernanda Iarossi é jornalista, Mestre em Comunicação Midiática pela UNESP – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Neto. Professora nos cursos de Comunicação da UAM – Universidade Anhembi Morumbi e Fapcom – Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação e em São Paulo. Coordenada o Grupo de Pesquisa Discursos Midiáticos na Fapcom.





Leia também

“É para ler? Ou ouvir? Eu clico ou arrasto? Levanto ou “tombo” o celular ou tablet?”, por Fernanda Iarossi

Cinco dicas para aprimorar o uso do Instagram nas redações, segundo o Reynolds Journalism Institute