“O que mais aprendi, e vou levar para minha carreira, foi pesquisar”, diz o jornalista Lucas Lima sobre seu TCC

Gisele Sotto, em colaboração | 29/04/2020 17:36
Lucas Lima desenvolveu como projeto de TCC a biografia de uma banda ícone do underground paulistano, formada nos anos 80, e para isso teve que fazer uma ampla investigação, que incluiu entrevistas, a pesquisa em documentos e materiais jornalísticos. 

Em entrevista ao Portal IMPRENSA, o jornalista formado em 2019 pela Fapcom – Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação, de São Paulo, compartilha aqui sua História de TCC. 
Crédito:Montagem com fotos de arquivo pessoal


Sobre o trabalho

O meu trabalho de TCC teve como produto o livro biográfico das Mercenárias, uma banda pós-punk paulistana. A ideia foi retratar os seis anos de vida do grupo, formado nos anos 80. Analisei como foi possível a criação de uma identidade tão própria da banda, que, claro, foi tendo suas mutações com o tempo, porém sempre foi um grupo muito singular e ícone para muitas outras bandas que nasceram posteriormente. Para isso, tive que estudar bastante o que antecedeu a criação das Mercenárias, na política, cultura e na sociedade, tanto no Brasil quanto no mundo. A pesquisa seguiu nessa linha, de explorar o contexto da época, além das coisas particulares da banda e das vivências das integrantes. Com isso, o livro é focado nas Mercenárias, mas inevitavelmente há trechos sobre a história do rock e a cultura paulistana, além de outras bandas como Smack, Garotas do Centro, Titãs, e até casas de shows que eram pontos de encontro da época, como o Madame Satã e o Carbono 14.

Principais desafios ao longo da produção

A maior dificuldade foi organizar tudo e saber como agir em ocasiões nas quais existiam várias versões sobre um mesmo fato. Quando fiz as primeiras entrevistas, eu tinha tudo em minha cabeça, mas foi um turbilhão de informações que tornou mais difícil saber por onde começar e como encaixar tudo. Uma particularidade do meu trabalho é que, por ser uma biografia, eu tive de entrevistar uma quantidade grande de fontes e também investigar em documentos, pessoais e públicos, além de materiais jornalísticos. Tive que investigar o máximo em registros documentais sobre alguns fatos, porém, quando não existiam esses registros, não era possível confirmar que tal coisa aconteceu de determinada forma apenas pelos depoimentos das fontes, que muitas vezes eram contraditórias. E isso aconteceu não porque as pessoas estavam mentindo, mas porque estavam falando de fatos que aconteceram há quase 40 anos, então as memórias ficam confusas, o que é natural. Nestes casos, tive de colocar todas as versões para o mesmo fato.

Outra dificuldade foi o tempo curto. É necessário muito tempo para fazer entrevistas, decupar, editar e escrever. Até por isso, embora eu já tenha apresentado o livro na faculdade, sempre pensei em desenvolver o livro para publicar, então continuo com as pesquisas, inclusive corrigindo coisas, tendo novas ideias, fazendo mais entrevistas e deixando-o mais completo. Pegando a linguagem da música, o que apresentei como meu projeto de TCC foi a “versão demo” do meu livro.

Os aprendizados

O que mais aprendi, e que particularmente mais gostei e vou levar sempre para minha carreira, foi pesquisar. Não só ‘fuçar’ os livros ou artigos na internet, mas colocar os pés na rua, investigar, encontrar pessoas, pesquisar nos arquivos pessoais, arquivos públicos, acervos de jornais, mergulhar em camadas cada vez mais profundas e descobrir coisas que ninguém ou quase ninguém ainda sabe. É trabalhoso, mas muito prazeroso.  

Significado dessa experiência

Acho que a experiência de fazer o TCC é um conjunto de todas as coisas que você já aprendeu durante a graduação. Eu sempre gostei de escrever sobre música, tenho um site de música (eufoniabrasileira.com) e na graduação me apaixonei por fazer perfis e escrever de um jeito mais literário. Tudo isso foi potencializado com a produção do TCC, que no meu caso está também explanado na minha vida pós-faculdade, então uma coisa leva a outra.

Contribuições que o trabalho trouxe

Este trabalho contribuiu e tem contribuído constantemente em muitas coisas. Naturalmente, ser jornalista te coloca muito próximo das pessoas e ouvir as histórias que cada um tem a contar é magnífico, pois sempre aprendemos coisas novas. Com este trabalho, me senti mais instigado em pesquisar, fazer trabalhos mais completos e aprofundados. Procuro levar isso para todas as coisas que faço, que escrevo, claro que em suas devidas proporções, tendo em vista que uma matéria feita em um dia não é um livro.

No mais, continuo focado no livro, que será publicado futuramente. Fazer este trabalho me motivou também a fazer outras pesquisas e, em um futuro mais distante, quero escrever outros livros.

Conselhos para quem está fazendo o TCC

Meu conselho é escolher algo que goste e num formato que curte, seja livro, podcast, monografia, documentário. Durante toda a graduação temos que seguir o que é pedido, mas no momento do TCC temos a liberdade de escolher. Não é fácil fazer um TCC, mas fica mais prazeroso fazer sobre algo que você goste.

Leia também