“O significado maior foi ver um amadurecimento nítido em cada um”, diz Lucas Souza Mendes sobre a produção do TCC

Gisele Sotto, em colaboração | 15/05/2019 16:36

Crédito:Arquivo pessoal
Lucas Souza Mendes com seu orientador, o professor Gutenberg Barbosa Batista Junior

A monografia de Lucas Souza Mendes apresenta uma discussão sobre a indústria do entretenimento, a televisão brasileira, a cultura de massas e o significado da figura célebre, a partir de uma análise do programa "TV Fama", da RedeTV!. Sua pesquisa inclui temas associados ao infotenimento, como o grotesco, o espetáculo e o olimpismo.


Lucas se formou em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela  Faculdade Pinheiro Guimarães, do Rio de Janeiro, e em entrevista ao Portal IMPRENSA compartilha sua História de TCC.


Sobre o trabalho


Como a intenção da obra era responder a uma temática já proposta pelo título de minha monografia – “TV Fama: Jornalismo alternativo ou entretenimento?” - ela teve como objetivo abordar os mais diversos aspectos relacionados a esse debate: a história da televisão no Brasil e o surgimento da RedeTV! e dos programas de entretenimento de cunho jornalístico, e a questão do capitalismo; o "grotesco" de Muniz Sodré; a noção de Infotenimento; a definição de celebridade, subcelebridade e celetoide; a retórica crítica quanto à banalização da notícia e da transformação do embuste em material desejado pela massa trabalhadora, baseado nas obras de Guy Debord e Pierre Bordieu; dentre outras noções, tendo até mesmo uma entrevista com uma repórter do programa para melhor compreendeu a sua estrutura e ideologia pessoal de trabalho. Em sentido de utilidade pública, creio que ele possa servir como base para discutir questões quanto ao poder da mídia e da comunicação como um todo.


Principais desafios ao longo da produção


Os maiores desafios foram a minha própria saúde mental e o fato de que eu precisei trocar o meu primeiro tema logo no começo, o que acabou por atrasar um pouco minha produção até que eu realizasse novas pesquisas e me identificasse com uma nova temática - aquela que, hoje, tornou-se o trabalho que apresentei a todos. Há algo que muitas pessoas não dizem e que sinto que preciso falar - especialmente diante de alguns acontecimentos presentes no programa Big Brother Brasil. A faculdade - e o ensino superior como um todo - representa algo que muitas pessoas olham com misticismo e respeito, só que notas altas ou diploma jamais definirão caráter. Fiquei contente pelos elogios que recebi graças ao TCC, mas o que mais me satisfez de verdade foi apoiar os colegas com todas as ferramentas, dicas e afins que obtive, chegando a entregar arquivos digitalizados de obras que eles precisavam para consulta. Isso acabou me deixando mais animado, pois havia pessoas incríveis ali que mereciam ter o direito de se formar e de serem excelentes profissionais.

Há muitas memórias dolorosas - que são resultados de minha própria culpa - durante a execução deste projeto, mas o que me doeu mais foi observar as dificuldades pelas quais eu e meus colegas, juntos, acabamos passando, e como cada um precisou fazer força para contorná-las. Infelizmente, quando se trata do TCC, ou você dá um jeito de fazer e entregar, ou nada acontece. Os orientadores podem até ajudar com conselhos e fazendo alguns ajustes para te dar mais oportunidades para fechar o seu trabalho, mas mesmo isso é bem limitado devido à pressão e demandas impostas por esta fase.


Os aprendizados


Aprendi bastante sobre a noção moderna da Infotenimento - que até mesmo embutiu uma crítica sugerindo mudanças no diploma do jornalista desta nova geração tecnológica - e também sobre os conceitos de espetáculo e de interpretação de uma informação a partir do ponto de vista alheio, não me prendendo apenas à noção de manipulação de massas e indo mais a fundo na questão teórica das diferenças socioculturais que podem auxiliar - ou não - na forma como um fato é interpretado e utilizado por uma pessoa alheia. A noção de comunicação, neste sentido, é muito mais complexa e profunda do que parece, e ajuda até mesmo a compreender todas as observações feitas durante o meu TCC quanto ao mercado da celebridade, sobre como ele funciona e sobre a questão da relação celebridade-fã, que algumas vezes extrapola a normalidade e acaba criando situações indesejáveis para a pessoa famosa. Tanto o excesso de valorização quanto a desvalorização de uma figura célebre são dois lados de uma mesma moeda na cultura de massas do século XXI.


Significado dessa experiência


Principalmente, que o período estudantil estava, de fato, em sua reta final. Após aquilo, eu já sabia que ficaria apenas eu em busca por um emprego na área em que havia me especializado. Foi uma sensação estranha e até mesmo medonha saber que, sem aquilo, muito de meu tempo útil se tornaria ocioso, e que agora não havia mais justificativas para ficar parado. Apesar de ter procurado estágios durante todo o período em que estive estudando, não foi esse aspecto que me tocou mais, mas sim todo o aprendizado que obtive pelo caminho. Saber que aquilo estava em seu ápice; que a conclusão seria o momento em que os professores seriam os mais honestos possíveis e que todos os seus colegas estavam passando pelas mesmas dificuldades e emoções do momento...  Foi tudo bem único. Era possível ver o quanto o trabalho de cada um significava para si, até mesmo para os seus orientadores e professores de banca. Acredito que o significado maior foi ver um amadurecimento nítido em cada um ali presente.


Contribuições que o trabalho trouxe


Até o momento, nada em particular, a não ser todo o aprendizado obtido por meio dele e a oportunidade de conceder essa entrevista ao Portal IMPRENSA. Mas espero de coração que a minha criação sirva a outros interessados no assunto - ou em algum segmento decorrente do mesmo - para ajudar com projetos de estudos que partilhem das temáticas abordadas. Por isso o disponibilizo não só em minha faculdade - em forma física e digitalizada - mas também online, para que possa ser visualizado publicamente (veja a monografia neste link). O conhecimento é apenas uma das coisas que, ao menos atualmente, eu creio com firmeza que não deveria ser monetizado e tão burocrático e restritivo como é.


Conselhos para quem está fazendo o TCC


Digo para que não desistam de seus trabalhos, sejam eles monografias ou projetos especiais. Há muitos obstáculos no caminho - saúde, financeiro, falta de inspiração ou recursos - mas você acaba sentido que vale a pena no final e tem algo a mais para dizer sobre si mesmo; algo positivo, independente de qualquer julgamento. O fato é que se trata de uma etapa importante e que te ensinará como se dá a produção de um trabalho acadêmico formal, preparando em parte para o mercado de trabalho - graças aos contatos e atividades práticas que realizará durante o tempo de produção – e também para o mundo dos estudos mais avançados, já que a pesquisa bibliográfica é muito requisitada aos que seguem para o mestrado ou doutorado.

Ademais, independente de qual seja a sua temática, você aprenderá mais sobre o mundo e conseguirá obter ao menos um fato curioso com base no que produziu, e isto pode lhe servir mais cedo ou mais tarde de alguma forma. Nunca é inútil, mas também não é fácil, não só pelo aspecto de conteúdo mais complexo pertencente a essa etapa do ensino superior - que por si só não é algo tão acessível a todas as pessoas, como bem sabemos - mas também pelas diferenças particulares de cada aluno. De uma forma ou de outra, algum aspecto pessoal pode afetar a sua produção, mas a verdade é que ela só será finalizada se você a fizer. O término de um TCC só ocorre quando há uma boa relação e dedicação do aluno com o seu orientador.


E como dica principal, aconselho que comece o mais cedo possível. Se for capaz, durante o período anterior já vá definindo quem será seu orientador, o seu tema, objetivos e veja se consegue separar alguns textos para ler, até mesmo fazendo o fichamento dos mesmos. Isso lhe permitirá chegar à parte de produção com maior velocidade e reduzirá, e muito, o tempo de pesquisa. E a coisa que menos se tem durante o TCC, além de paciência para conclui-lo, é tempo - ele será o seu maior inimigo a todo o momento.


Leia também

Primeiro jornal-laboratório diário do Brasil passa da marca de mil edições em vinte anos

Trabalho de pesquisa analisa o sensacionalismo no jornalismo televisivo