Opinião: "Conselho de um bilionário: aprimore as habilidades de comunicação", por Daniela Barbará

Daniela Barbará | 15/05/2019 10:57

Crédito:Pixabay


De acordo com o jornal Meio, no início de maio, Michael Hood, de 22 anos, co-fundador da start-up Voiceflow, de Toronto, pegou seu smartphone e apontou para Warren Buffett, que estava sentado ao lado dele no banco de trás de um carro: "Então, você está conversando com pessoas jovens. Qual é a dica que você pode dar a pessoas de 21, 22 anos, que estão se formando?"


De acordo com a matéria, o brilhante conselho do bilionário surgiu quando admitiu publicamente que, durante o colegial e a faculdade, ele "temia falar em público" a ponto de vomitar. Depois de fazer um curso de falar em público em Dale Carnegie, ele disse que mudou sua vida. Até hoje, em vez de seus diplomas da faculdade ou da pós-graduação, somente mantém na parede do escritório um quadro solitário: o diploma de comunicação que recebeu em 1952 de Dale Carnegie.


Seu ingresso para o sucesso pode estar em comunicação por escrito.


O conselho do bilionário serve tanto para as habilidades de comunicação verbal quanto a escrita. Ou seja, vale a pena investir na capacidade de escrever bem.


De acordo com um artigo do Entrepreneur, a National Commission on Writing descobriu que quase metade das empresas pesquisadas pagam por programas de treinamento para "assalariados com ineficiências de escrita", destacando a imensa necessidade de uma comunicação escrita eficaz no local de trabalho.


O relatório da comissão chegou a afirmar que 80% das empresas de finanças, seguros, imóveis e indústrias de serviços avaliam regularmente as habilidades de escrita dos candidatos a emprego durante o processo de contratação, de acordo com a notícia.


Bob Kerrey, presidente da comissão, disse: "A escrita é um marcador do trabalho profissional de alta qualificação, alto salário. As pessoas incapazes de se expressar claramente por escrito limitam suas oportunidades de emprego profissional e assalariado".


A íntegra da matéria original está aqui.


Crédito:Arquivo pessoal

Sobre a autora: Minha base profissional veio do jornalismo econômico impresso e online. Depois entrei no setor de comunicação corporativa e nunca mais parei. Parte do meu trabalho nos últimos anos foi encontrar oportunidades de levar a comunicação dos meus clientes aos seus públicos-alvos da melhor forma possível, sempre com o alinhamento de comunicação e de expectativas. Durante três anos intensos da minha vida trabalhei com aviação civil e aprendi na prática a arte do gerenciamento de crise e de viajar à trabalho. Acredito que a boa comunicação é capaz de mudar o mundo, as empresas e as relações entre pessoas. Há mais de vinte anos trabalho com comunicação das mais diversas formas. Participo há alguns anos do Comitê de Capital Humano na Câmara Sueca. Atuo há mais de quatro anos voluntariamente como coordenadora do Grupo de Trabalho de Recursos Humanos da Abracom. Ministro palestras, aulas e workshops sobre Gerenciamento de Crise e Assessoria de Imprensa para interessados no tema e alunos de graduação e pós-graduação. Dúvidas? Me escreve: danielabarbara2012@gmail.com

Leia também

"Felicidade medida", por Daniela Barbará

Primeiro jornal-laboratório diário do Brasil passa da marca de mil edições em vinte anos

"Latência é a bola da vez", por Marcelo Molnar