Não vemos motivos para sermos otimistas

Por Isabela Santos e Letícia Graf (IESB Centro Universitário) | 09/05/2019 13:26

O segundo painel do 11º Fórum de Liberdade de Imprensa e Democracia teve como tema a “Segurança dos jornalistas: o equilíbrio entre liberdade, segurança e responsabilidade” e contou com nomes de peso para abordar o assunto, sendo eles: Emmanuel Colombié, diretor América Latina da Repórteres sem Fronteiras (RSF), Juvenal Araújo, subsecretário de Direitos Humanos da Sejus/DF, Manuel Martinez, correspondente pela agência Xinhua (China) e rádio El Espectador (Uruguai), Thiago Tavares, presidente da SaferNet Brasil e Cristiana Lôbo, comentarista da GloboNews, que moderou o debate.

Crédito:Carlos López (Unip Brasília)


Os debatedores do painel trouxeram números preocupantes. De acordo com Emmanuel Colombié, da RSF, apenas 9% da população mundial vive em países nos quais o nível de liberdade de imprensa é considerado satisfatório e existe um número cada vez menor de países onde exercer o jornalismo é seguro - o Brasil está na posição 105 na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa. Só no ano de 2018, 80 jornalistas foram mortos, tendo aumentado os casos de ameaça e violência desde o período eleitoral.



Considerando estes números alarmantes, Thiago Tavares, da SaferNet Brasil, traz cinco dicas para proteção dos jornalistas.


1. Ativar o 2º fator de identificação em celulares e computadores.

2. Proteger as comunicações de WhatsApp e Telegram.

3. Proteger o e-mail com 2º fator de identificação.

4. Criptografar HD e Disco rígido do computador.

5. Estar atento a possíveis cracker de dados.

Crédito:Carlos López (Unip Brasília)


Na palestra que antecedeu o debate sobre segurança dos jornalistas, Adauto Candido Soares,  coordenador de Comunicação e Informação da UNESCO no Brasil, destacou que: as principais vítimas são jornalistas de TV; a violência também acontece com radialistas e jornalistas locais; e mulheres tendem a sofrer violência (veja a apresentação da UNESCO).


Juvenal Araújo, da Sejus/DF, defendeu as iniciativas para a segurança dos jornalistas. Relatou também os aumentos de assassinatos em 2017 e as ameaças, que cresceram 90%. Citou um exemplo, o do jornalista Guga Chacra, que sofreu ameaças de morte em sua rede social no Twitter. “Este ato mostra a dificuldade que é enfrentada na liberdade de imprensa”, ressalta.

Os direitos humanos foram um dos focos do Subsecretário de Direitos Humanos da Sejus/DF. Juvenal defendeu que ainda há ameaças e agressões aos direitos humanos no jornalismo. O Programa de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos promove a segurança aos jornalistas para que possam garantir a liberdade de imprensa. A questão do racismo também é um dos problemas enfrentados pelos profissionais. “Me preocupa muito porque até hoje essas violações ainda são feitas, e eu vejo algumas pessoas que conhecem realmente essa liberdade e às vezes deixam de se expor ou agem como se fosse algo natural, sendo que não é”. Ainda ressaltou que “precisamos criar diretrizes para que sejam proibidos esses ataques”.


O jornalista Manuel Martinez, da agência Xinhua e rádio El Espectador, também abordou sobre as agressões, e ressaltou o compromisso do jornalismo com a democracia. “Nada justifica as agressões que estamos sofrendo agora”. Defendeu também que a imprensa não se afaste da sociedade. O principal questionamento sugerido por ele foi: “será que nós jornalistas estamos cumprindo com o nosso papel?”. O código de ética foi uma das principais bases para defender suas ideias. “Embora perto da sociedade, a cada dia que passa estamos nos afastando”.


Promovido pela Revista e Portal IMPRENSA, esta edição do fórum conta com o patrocínio da ABERT, apoio da OAB-DF, e apoio logístico do Insper. Além do apoio institucional da ABI, Abracom, Abraji, ANER, ANJ, Associação dos Correspondentes Estrangeiros, Instituto Palavra Aberta, OBCOM/USP, e Repórteres sem Fronteiras, e apoio de mídia da Agência Radioweb e do JOTA. Confira no site do evento a galeria de fotos, notas de cobertura e materiais relacionados.


*Isabela Santos e Letícia Graf são estudantes de jornalismo no IESB Centro Universitário, em Brasília. E Carlos López é estudante de jornalismo na Unip Brasília. Para a cobertura do Fórum Liberdade de Imprensa e Democracia, IMPRENSA estabeleceu uma parceria com universidades e professores por meio do projeto "Embaixador IMPRENSA" - uma iniciativa do Portal IMPRENSA que reúne estudantes de Comunicação para um intercâmbio de informações e experiências. 


Leia também

“Há um foco no cenário político e esquecimento do cenário social”, diz Rosane Garcia

“A liberdade de imprensa e as relações entre legislativo, judiciário e jornalismo”, por Murillo de Aragão

“O torniquete da censura”, por Sinval de Itacarambi Leão

“Existem duas instituições que são irmãs siamesas, o Ministério Público e a imprensa”, aponta Ana Amélia Lemos

“A questão do ódio é fruto do autoritarismo, e não das mídias sociais”, ressalta o advogado André Marsiglia

“É fundamental fortalecer a proteção dos jornalistas, a ética e uma maior solidariedade entre os agentes da sociedade civil”, defende o diretor da RSF