“Há um foco no cenário político e esquecimento do cenário social”, diz Rosane Garcia

Catarina Loiola e Lucas Batista (IESB Centro Universitário) | 09/05/2019 13:06

O 11° Fórum de Liberdade de Imprensa e Democracia ocorreu no dia 2 de maio e contou com a presença da subeditora de opinião do Correio Braziliense, Rosane Garcia. No painel “Os desafios do medo, do ódio e da generalização”, sob o tema liberdade de imprensa em tempos de radicalismo, Rosane discursou sobre a democracia quanto ao direito de ser noticiado e a falta de debate de questões prioritárias. “Ignora-se a questão ambiental, a luta dos negros, dos indígenas, das mulheres e LGBT+ para transmitir o que acontece no Congresso Nacional”, afirmou.

Crédito:Acácio Pinheiro / IMPRENSA
Rosane Garcia, do Correio Braziliense, no Fórum Liberdade de Imprensa e Democracia


Em seu discurso, Rosane levantou a questão acerca da falta de representação da população nas pautas jornalísticas, fato que, na opinião dela, reduz a existência do país ao que é discutido pelas autoridades. “Há um foco no cenário político e esquecimento do cenário social. Quando falamos de medidas aprovadas pelo Congresso, é necessário que haja um contraponto com a visão das pessoas que vão ser influenciadas com as leis”, disse.


A tendência dos veículos de comunicação em priorizar o oficial prejudica o interesse e a confiança do cidadão na imprensa. Segundo pesquisa do Datafolha, realizada em junho de 2018, sobre o grau de confiança nas instituições, 37% dos entrevistados alegaram não confiar na imprensa, 45% confiam pouco e, apenas, 16% confiam muito na instituição. Os números explicam a baixa audiência, que, para a subeditora do Correio Braziliense, também está relacionada a outro fator. “Perdemos público quando distanciamos do diálogo com o cidadão, a imprensa não está sendo capaz de o sensibilizar. Para o jornalismo ser atraente, precisa falar da vida das pessoas“, ressaltou.


Para Rosane, o sujeito citado nas falas oficiais também deve ser ouvido, tanto para ter sua voz na imprensa quanto para ter atuação nas decisões. Como solução, a jornalista explicou: “é preciso polemizar as decisões do poder público para que a sociedade possa entrar no debate. Atualmente, não há essas discussões, e sim o apego a decisões do Congresso sem o debate efetivo do impacto da decisão na vida do cidadão”.


Promovido pela Revista e Portal IMPRENSA, esta edição do fórum conta com o patrocínio da ABERT, apoio da OAB-DF, e apoio logístico do Insper. Além do apoio institucional da ABI, Abracom, Abraji, ANER, ANJ, Associação dos Correspondentes Estrangeiros, Instituto Palavra Aberta, OBCOM/USP, e Repórteres sem Fronteiras, e apoio de mídia da Agência Radioweb e do JOTA. Confira no site do evento a galeria de fotos, notas de cobertura e materiais relacionados.


*Catarina Loiola e Lucas Batista são estudantes de jornalismo no IESB Centro Universitário, em Brasília. Para a cobertura do Fórum Liberdade de Imprensa e Democracia, IMPRENSA estabeleceu uma parceria com universidades e professores por meio do projeto "Embaixador IMPRENSA" - uma iniciativa do Portal IMPRENSA que reúne estudantes de Comunicação para um intercâmbio de informações e experiências. 


Leia também

“A liberdade de imprensa e as relações entre legislativo, judiciário e jornalismo”, por Murillo de Aragão

“O torniquete da censura”, por Sinval de Itacarambi Leão

“Existem duas instituições que são irmãs siamesas, o Ministério Público e a imprensa”, aponta Ana Amélia Lemos

“A questão do ódio é fruto do autoritarismo, e não das mídias sociais”, ressalta o advogado André Marsiglia

“É fundamental fortalecer a proteção dos jornalistas, a ética e uma maior solidariedade entre os agentes da sociedade civil”, defende o diretor da RSF