“O jornalismo tem o poder de dar voz a quem realmente necessita”, diz Jefferson Rodrigues

Gisele Sotto, em colaboração | 27/03/2019 18:26

A oportunidade de fazer um grande trabalho para uma comunidade foi o que motivou Jefferson Rodrigues, Julia Pinto e Raquel Costa a desenvolverem o Portal Fala São Mateus, que teve início como um projeto de TCC, mas que continua beneficiando e contando as histórias dessa comunidade da Zona Leste de São Paulo.


Em entrevista ao Portal IMPRENSA, Jefferson, que se graduou em jornalismo pela Faculdades Integradas Rio Branco, compartilha sua experiência com este jornal web comunitário.

Crédito:Montagem de fotos / Divulgação
Raquel Costa, Julia Pinto e Jefferson Rodrigues, do Portal Fala São Mateus


O que motivou a criação do Portal Fala São Mateus como seu projeto de TCC? E o que foi determinante para tomar a decisão de dar continuidade, transformando o projeto em um veículo?


Após iniciar o curso de Jornalismo, fui aprendendo mais sobre a profissão, e tinha comigo que queria fazer um projeto de TCC voltado pro lado social. Não sabia exatamente o que, mas queria desenvolver algo nessa área, pois acredito muito no papel social do jornalismo. Já perto de fazer a escolha final para começar a desenvolver o trabalho de conclusão de curso, eu e mais duas colegas (Julia Pinto e Raquel Costa) estávamos conversando sobre o que queríamos produzir. Nessa conversa, elas disseram que topariam e queriam fazer algo voltado pro lado social também. Nisso, a Raquel já deu a ideia que conhecia uma comunidade que desenvolvia grandes projetos, realizados entre os próprios moradores, mas eles não tinham divulgação e nem o apoio de ninguém.


No momento já enxergamos que seria uma oportunidade de fazermos um grande trabalho para a comunidade e as pessoas que nela vivem, o que acabou ocasionando a criação do Portal Fala São Mateus. Algo determinante para transformar o projeto em um veículo foi ver como as pessoas reagiram. Ouvimos das pessoas de São Mateus que o nosso projeto seria essencial para eles poderem divulgar o que fazem não só ali dentro daquela comunidade, para os moradores, mas eles teriam a oportunidade de fazer com que outros bairros daquela região começassem a conhecer os projetos que eles desenvolvem, tanto para crianças quanto para adultos. Isso nos deu a esperança que aquelas pessoas estavam contando com a gente e que valeria a pena levar o projeto adiante.


Quais foram os principais desafios que você enfrentou ao longo da produção do TCC? E os aprendizados?


Os desafios começaram a partir da pesquisa. Ainda não há muitas obras, artigos que tratem do jornalismo de periferia, do jornalismo de causas. Eu e meu grupo tivemos que fazer uma ampla pesquisa para conhecer mais sobre o tema.


Outro desafio foi no começo, quando começamos a parte de produção do portal. Nossa primeira visita na comunidade foi para nos apresentar e explicar às pessoas daquele lugar qual era a nossa intenção de desenvolver um projeto voltado para eles. De início sentimos um pouco de rejeição por parte deles. Imediatamente já vimos que teríamos que arrumar uma solução para esse desafio. Com a ajuda da nossa orientadora e também um professor da faculdade, tivemos a ideia de fazer uma camiseta com o nome do nosso portal estampado. Passamos a fazer visitas frequentes naquele lugar vestidos com a camiseta. Nisso começamos a criar uma identidade e aí sim as pessoas começaram a se interessar em saber quem éramos e o que era o Portal Fala São Mateus. Começamos a sentir uma aceitação maior das pessoas. Os aprendizados foram enormes.


Ouvimos de algumas pessoas que o que elas mais precisavam era isso, mostrar o lado positivo, o lado bom de uma comunidade. Não apenas fazer como a grande mídia que só ia ali para mostrar o lado negativo. Sentimos que um dos motivos de termos tido um pouco dessa rejeição era exatamente isso, acharem que iríamos fazer o mesmo. O maior aprendizado pra mim foi esse, mostrar que o jornalismo tem o poder de dar voz e ouvido a quem realmente necessita. Vivenciar isso de perto foi incrível. Aprendemos também o quanto o jornalismo é importante na vida dessas pessoas. Conhecer e contar grandes histórias que passam despercebidas diante da sociedade fez enriquecer muito o nosso lado humano. Foi uma realização significativa para mim.


Considerando o Portal, hoje quais são os desafios e oportunidades que você identifica? E como é o envolvimento da comunidade neste projeto?


O maior desafio é fazer o portal se expandir, ou seja, alcançar mais pessoas e fazer com que ele comece a ganhar mais repercussão e possa partir para outras comunidades da redondeza. Conseguindo isso, vemos boas oportunidades de mais pessoas serem beneficiadas, projetos se tornarem mais visíveis e ganharem mais força. Eu enxergo também a possibilidade de fechar novas parcerias, até mesmo com veículos alternativos que trabalham em prol dessas causas e, assim, ganharmos mais visibilidade e tornarmos nosso portal mais forte. A comunidade tem sido muito participativa no portal. Sempre que tem algum evento na comunidade, eles nos avisam, perguntam se a gente vai conseguir estar presente e mandam mensagens na página pedindo para divulgar alguma ação. A sintonia entre eles e a gente tem sido muito boa.


Você foi co-autor do livro "Mestres da Reportagem III". Que lições você leva dessa experiência para o exercício do jornalismo?


Ter sido co-autor do Livro Mestres da Reportagem me enriqueceu bastante na questão de aprendizado. Aprendi com os Mestres do Jornalismo que foram entrevistados no livro, especialmente o meu entrevistado que foi o Sérgio Dávila, que agora é o atual diretor de redação da Folha de S.Paulo. A lição que carrego no exercício da profissão é que é preciso ter humildade. Ser repórter realmente é sujar as solas dos sapatos e estar presente onde a história está. Quero seguir com essa visão no exercício da profissão, honrando o mais fidedignamente possível essa área e, assim, motivar outras pessoas.


Que conselhos daria para quem está fazendo o TCC agora?


Uma coisa que eu e meu grupo comentamos quando começamos a produzir nosso TCC e deixo aqui esse conselho: faça um projeto que vá além da faculdade. Não faça algo apenas na intenção de só concluir o curso. Pense alto e aposte naquilo que você irá desenvolver, talvez isso abrirá novas portas e oportunidades surgirão.


Leia também

“É um jornalismo de empatia, de proximidade”, diz Vitoria Ohana sobre o jornal IMPRESSÃO

“Foi onde aprendi a ser um profissional com mais ‘humanidade’”, destaca Yuri Higuchi sobre seu TCC