“É necessário sair da zona de conforto para obter experiências únicas”, diz Lizandra Costa sobre o seu TCC, produzido longe de casa

Gisele Sotto, em colaboração | 21/02/2019 11:17

Lizandra Mirella Costa agarrou a oportunidade de viajar e passar quase dois meses nos Estados Unidos para apostar num TCC com formato dinâmico, que exigiu dela assumir vários papeis. O resultado é a videorreportagem documental “Longe de Casa”, que você confere aqui.


Em entrevista ao Portal IMPRENSA, Lizandra compartilha um pouco dessa experiência. Ela se formou em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Faculdades Integradas Barros Melo (AESO Barros Melo), em 2018.

Crédito:Arquivo pessoal


Sobre o trabalho


O tema do meu trabalho se volta para brasileiros longe de casa. Nesse primeiro vídeo, a produção foi um piloto feito nos Estados Unidos, já que eu tive a oportunidade de viajar e passar quase dois meses lá. O objetivo foi retratar a realidade de brasileiros que deixaram o Brasil - por diferentes motivos - para morar nos Estados Unidos. O vídeo aborda também os motivos da mudança e como é viver em terras estrangeiras, abrangendo adaptação cultural, trabalho, língua e dificuldades.


Principais desafios ao longo da produção


O primeiro desafio foi encontrar um formato e um tema que me motivassem. Estava fazendo uma monografia, mas o processo era muito cansativo e parado para mim. Ao mudar o tema e o formato para algo mais dinâmico, o primeiro desafio foi estar sozinha em outro país e ter que assumir vários papéis, como produção, roteirização e ser repórter. Além de cuidar de toda parte da imagem e do som.


No que diz respeito à edição, você precisa estar atento à captação da imagem (das entrevistas e as imagens de apoio). E isso dá muito trabalho! Pois você precisa dar todos os passos já imaginando o resultado que você deseja ter e quais takes você precisa, sem esquecer das imagens que você faz para cobrir possíveis problemas. Sem contar com o frio das ruas que não eu estava habituada, então era difícil manter o foco na câmera mesmo com temperaturas negativas.


Por fim, o último desafio foi toda a edição, porque você precisa escolher quais momentos vai utilizar e qual vai ser a linha do seu trabalho. Então você descarta muitas imagens e trechos valiosos. Você grava vários vídeos e no final precisa priorizar apenas alguns, destacando poucos segundos. Mas isso faz parte da construção do trabalho e do seu dever como jornalista... É preciso ter senso crítico.


Os aprendizados

 

Aprendi que às vezes é necessário sair da zona de conforto para obter experiências únicas. Eu cheguei até a duvidar da minha capacidade como profissional e por um momento quase desisti dessa "aventura". Além disso, pude me testar como profissional e vi que sou capaz de exercer várias funções, sem esquecer de fazer o meu melhor em cada uma delas. Então acho que fiquei muito mais segura depois dessa experiência, porque eu estava no controle da situação e consegui sair dela com êxito.


Significado dessa experiência

 

Pessoalmente foi a realização de um sonho, pois eu sempre ouvia falar de TCC e a gente acaba criando um bicho de sete cabeças. Eu pensava que não iria conseguir fazer esse danado! E até hoje, às vezes releio o projeto e assisto de novo, e ainda fico sem acreditar que fiz tudo aquilo e tudo o que tive que fazer para conseguir aquele trabalho, ao qual me dediquei durante seis meses. Mas eu pude ver que quando você tem dedicação e foco, o resultado vem. E isso não tem preço! No lado profissional foi muito positivo porque consegui aprimorar ainda mais algumas habilidades (gravar e editar) que eu já tinha, sem esquecer que eu vou ter um bom material para o resto da minha vida, produzido somente com um celular, e eu vou poder apresentá-lo com muito orgulho, já que o material teve nota máxima na banca.


Contribuições que o trabalho trouxe


O reconhecimento pessoal e profissional. Ouvir as pessoas falando sobre ele - principalmente os professores e profissionais da área - fez meu coração se encher de orgulho. Sem contar todo o desenvolvimento da parte técnica, porque estou me sentindo muito mais preparada para trabalhar com esse formato.


Conselhos para quem está fazendo o TCC


Encontre um formato que você goste de trabalhar, um tema que você domine ou tenha muito interesse e escolha um bom orientador pra te guiar. Isso é o básico. No restante do processo, vá criando prazos e cumpra todos eles, porque assim você vai fazendo uma etapa de cada vez sem se desesperar, trabalhando naquele período de tempo. Acredite em você e no seu trabalho, você estudou pra isso, então seja seu maior incentivador, só não se perca no meio do caminho. Tenha foco e talvez você precise até abrir mão de vários momentos de lazer, mas lembre-se que isso é passageiro. Se você dedicar energia total a isso, em breve estará "livre" para colher os frutos. Com certeza, quando você acabar, vai se sentir uma nova pessoa! É gratificante passar por tudo isso e saber que conseguiu.



Leia também

O desafio de desenvolver um Brand Book nota 10

“O TCC tem uma simbologia, representa o profissional que você está se tornando”, diz o jornalista Ítalo Rômany

Revista Iniciacom recebe, até 15/03, textos de estudantes de Comunicação e recém-formados na área