Opinião: “O valor histórico do esporte”, por Leandro Massoni

Leandro Massoni | 05/09/2018 11:50
Crédito:Arquivo pessoal
“Um povo sem o conhecimento da sua história, origem e cultura é como uma árvore sem raízes”, segundo Marcus Garvey (1887-1940), comunicador, empresário e ativista jamaicano, considerado um dos maiores ativistas da história do movimento nacionalista negro. A frase citada acima condiz com o atual cenário em que estamos vivendo com o descuido de um dos nossos bens primordiais: a cultura. 

Na noite do último domingo, 2 de setembro, podemos dizer que tomamos mais um “gol da Alemanha”. O bicentenário Museu Nacional, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), considerada a mais antiga instituição científica do Brasil e, até então, um dos maiores museus de história natural e de antropologia das Américas, sofreu com a perda de grande parte dos seus arquivos após um incêndio iniciado por volta das 19h30 (horário de Brasília). Até o momento, não se sabe o quanto o local terá de prejuízos, uma vez que, em seu acervo, constava mais de 20 milhões de itens.

Em meio a uma situação de abandono, apresentando sinais de má conservação, o museu ainda sofria com cortes no orçamento, e desde 2014, não vinha recebendo a verba de R$ 520 mil anuais necessários à sua manutenção.

Triste pensar que este museu, que havia completado 200 anos de existência em junho de 2018, estava passando por esta situação de descaso. O povo brasileiro sofre com mais uma perda histórica. E de alguma forma, a vida de milhares de habitantes será afetada em um futuro próximo. 

No caso do jornalismo esportivo, e como já havia comentado anteriormente em outros artigos, existe também um descaso quanto ao valor histórico dos esportes praticados no mundo. Muitos jornalistas e estudantes de comunicação, pretensiosos e esperançosos por seguir uma carreira no esporte, por mais que tenham conhecimentos técnicos acerca de determinados assuntos da atualidade, desconhecem a origem e os fatos que ajudaram a propagar algumas dessas modalidades.

Existe uma infinidade de histórias para serem contadas e compartilhadas. Aliás, toda história se faz importante dentro e fora do esporte, sendo necessária, em algumas ocasiões, ser narrada ao longo das transmissões esportivas. Os históricos confrontos entre equipes rivais, média de vitórias e derrotas e “tabus” devem, sempre que possível, ser ressaltados, fazendo com que o trabalho jornalístico de apuração seja mais rico em detalhes e interessante para quem o acompanha.

Agora, com base na tragédia ocorrida no último domingo, imagine se tivéssemos a perda da nossa história esportiva, o que isso acarretaria de ruim para a população brasileira que acompanha o mundo esportivo? No primeiro momento, poderia haver uma tristeza momentânea, que logo seria superada. Entretanto, o futuro se encarregaria de cobrar essas perdas, uma vez que ficaríamos perdidos e entraríamos em inúmeras contradições sem fim caso não houvesse mais comprovações em livros, arquivos de papel não salvos em meios digitais e demais documentos físicos para possíveis pesquisas e novos estudos ou teses referentes a determinados temas.

Portanto, é preciso valorizar a cultura nacional, e sobretudo, fiscalizar e “ficar em cima” daqueles que são responsáveis pelo seu zelo, senão, continuaremos a ser um país com mentes cada vez mais sem lembranças. Recordar é muito mais do que viver, é transmitir valores, ideias e reflexões. É ser agente transformador em uma parcela da sociedade que desconhece a importância dos seus antepassados para a construção de uma nação. E no jornalismo esportivo, é ser testemunha dos fatos, sobretudo daqueles que ultrapassam as fronteiras do esporte.

*Leandro Massoni é jornalista formado pela Universidade Paulista (Unip) e pós graduado em Jornalismo Esportivo e Multimídias pela Anhembi Morumbi. É também radialista pela Radioficina Escola de Rádio e Televisão. Tem se aventurado a escrever sobre jornalismo esportivo por meio do site Jornalista em Campo. É também autor do vídeo documentário “O Futebol Nacional”, que conta a história do Nacional Atlético Clube através do ponto de vista de jornalistas e peritos no esporte bretão.

Leia também